Domingo, Abril 21, 2024
17.5 C
Lisboa
More

    Estados Unidos reprovam plano de Israel para a construção de casas em Jerusalém

    Presidente Barack Obama afirmou estar decepcionado com recente anúncio de Israel

    O governo de Barack Obama está decepcionado com o anúncio de Israel sobre a aprovação da construção de 1.100 novos alojamentos em Jerusalém Oriental, informou o Departamento de Estado (Ministério das Relações Exteriores) dos Estados Unidos da América (EUA).
    A decisão é contraproducente em relação aos esforços da comunidade internacional para retomar as negociações directas entre as partes, referiu a porta-voz da Casa Branca, Victoria Nuland.
    “Há tempos pedimos às partes envolvidas que evitem os actos susceptíveis de enfraquecer a confiança, principalmente em Jerusalém”, insistiu Victoria Nuland, que prometeu, no entanto, que os EUA não vão abandonar as suas tentativas de retomar o diálogo entre Israel e os palestinos.
    A secretária de Estado, Hillary Clinton, disse que os novos tempos não permitem mais atrasos nem retrocessos. “Temos que continuar a trabalhar para convencer as partes a retomar as conversas directas”, sublinhou, fazendo saber que sem isso, nada vai mudar no terreno e cada grupo irá acreditar que a outra parte não tem a intenção deconcretizar as  negocições.
    Israel aprovou um plano de construção de 1.100 casas para colonos em Jerusalém Oriental, segundo o Ministério do Interior israelita, um anúncio que irritou o lado palestino.
    A população tem 60 dias para apresentar possíveis objecções ao plano, que acaba de ser aprovado pelo comité de urbanização do Ministério, segundo um comunicado.
    O comité vai examinar as eventuais objecções antes de anunciar uma licitação para a construção das casas.

    O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, deu a entender que não tem a intenção de congelar novamente a colonização na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental, a parte da cidade ocupada e anexada por Israel em 1967, para tentar reabrir as negociações com os palestinos. “É um pretexto que usam e voltam a usar, mas muitas pessoas consideram que é uma estratégia para evitar as negociações directas”, declarou ao Jerusalem Post, em referência à exigência dos palestinos a Israel para que congele a colonização.
    O governo palestino criticou o anúncio por meio do seu principal negociador, Saeb Erakat, e disse que Israel ignora o Quarteto para o Médio Oriente (EUA, União Europeia, Rússia e ONU).
    “Com isto, Israel responde 1.100 vezes ‘não’ ao comunicado do Quarteto, que propôs a israelitas e palestinos a retomada das negociações para obter um tratado de paz definitivo no fim de 2012”, disse Saeb Erakat à agência AFP.
    O secretário-geral adjunto para os Assuntos Políticos da ONU, Lynn Pascoe, criticou fortemente a autorização no Conselho de Segurança.
    “A decisão que tomou o Comité de Urbanização de avançar neste plano de construção de uma grande quantidade de moradias em Jerusalém Oriental é um assunto que nos preocupa”, enfatizou o secretário-geral adjunto.
    “Dissemos de forma repetida que a colonização é ilegal e contrária aos compromissos de Israel em relação ao programa do Quarteto do Médio-Oriente”, assinalou.

     

    Fonte: Jornal de Angola

    Fotografia: AFP

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Ataque aéreo causa pelo menos nove mortos em Rafah

    Nove pessoas morreram em ataque aéreo em Rafah, seis delas crianças. O exército israelita anunciou que matou dez combatentes...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema