Terça-feira, Maio 21, 2024
14.3 C
Lisboa
More

    Estados Unidos pressionam a Ucrânia para suspender ataques às refinarias de petróleo russas

    Os estados Unidos pessionam a Ucrânia para suspender os ataques às infra-estruturas energéticas da Rússia, alertando que os ataques com drones correm o risco de aumentar os preços globais do petróleo e provocar retaliações, segundo o Financial Times.

    Os repetidos avisos de Washington foram entregues a altos funcionários do serviço de segurança estatal da Ucrânia, o SBU, e à sua direcção de inteligência militar, conhecida como GUR, disseram as pessoas ao Financial Times.

    Ambas as unidades de inteligência têm expandido constantemente os seus próprios programas de drones para atacar alvos russos em terra, no mar e no ar desde o início da invasão em grande escala do Kremlin em Fevereiro de 2022.

    A Casa Branca está cada vez mais frustrada com os ataques de drones ucranianos que atingiram refinarias de petróleo, terminais, depósitos e instalações de armazenamento em todo o oeste da Rússia, prejudicando a sua capacidade de produção de petróleo.

    A Rússia continua a ser um dos mais importantes exportadores de energia do mundo, apesar das sanções ocidentais ao seu sector de petróleo e gás. Os preços do petróleo subiram cerca de 15% este ano, acima de 85 dólares por barril, aumentando os custos dos combustíveis no momento em que o presidente dos EUA, Joe Biden, inicia a sua campanha para a reeleição.

    Washington também teme que, se a Ucrânia continuar a atacar instalações russas, incluindo muitas que estão a centenas de quilómetros da fronteira, a Rússia possa retaliar atacando as infra-estruturas energéticas em que o Ocidente confia. Isto inclui o oleoduto CPC que transporta petróleo do Cazaquistão através da Rússia para o mercado global.

    Empresas ocidentais, incluindo a ExxonMobil e a Chevron, utilizam o gasoduto, que Moscovo fechou brevemente em 2022. “Não encorajamos nem permitimos ataques dentro da Rússia”, disse um porta-voz do NSC.

    Depois que o Financial Times publicou a notícia das advertências dos EUA na sexta-feira, o vice-primeiro-ministro da Ucrânia para a integração europeia e euro-atlântica, foi questionado sobre como Kiev havia respondido aos apelos do governo Biden para impedir os ataques às refinarias russas. Ela disse: “O lado ucraniano respondeu, penso eu, precisamente alcançando os seus objectivos e através de operações muito bem sucedidas conduzidas no território da Federação Russa”. “Compreendemos os apelos dos nossos parceiros americanos”, disse Stefanishyna numa audiência no Fórum de Segurança de Kiev. “Ao mesmo tempo, estamos a lutar com as capacidades, recursos e práticas que temos hoje.”

    A Ucrânia intensificou os seus ataques aéreos nas últimas semanas, à medida que os seus programas de drones se expandem e a guerra terrestre muda a favor de Moscovo. Também se segue ao crescente descontentamento em Kiev sobre o que é visto como a abordagem ambivalente do Ocidente para reduzir as receitas energéticas de Moscovo.

    Houve pelo menos 12 ataques a grandes refinarias russas desde 2022, e pelo menos nove este ano, juntamente com vários terminais, depósitos e instalações de armazenamento, de acordo com um oficial da inteligência militar em Kiev.

    Helima Croft, antiga analista da CIA, actualmente na RBC Capital Markets, observou recentemente que a Ucrânia demonstrou que poderia atingir a maior parte das infra-estruturas de exportação de petróleo no oeste da Rússia, colocando em risco cerca de 60 por cento das exportações do país.

    As objeções dos EUA surgem num momento em que Biden enfrenta uma dura batalha pela reeleição este ano, com os preços da gasolina em alta, aumentando quase 15% este ano, para cerca de 3,50 dólares por galão.

    A Ucrânia tem aumentado constantemente os ataques com drones à medida que as suas tecnologias avançam. Autoridades ucranianas afirmam ter desenvolvido drones com alcance superior a 1.000 km e cargas úteis capazes de infligir danos graves. Kiev lançou dois dos seus maiores e mais difundidos ataques de drones na semana passada, com operações tanto da GUR como da SBU visando com sucesso sete instalações energéticas russas em dias consecutivos.

    Durante o ano passado, os drones marítimos GRU e SBU também atacaram portos russos, destruíram vários navios de guerra russos no Mar Negro e atingiram a ponte de Moscovo na Crimeia, que liga a Rússia à península ucraniana ocupada.

    O objectivo das “operações especiais” é dificultar o fornecimento de combustível às tropas russas e cortar o financiamento para o esforço de guerra do Kremlin, segundo um responsável ucraniano envolvido no planeamento e condução dos ataques. Kiev também quer desferir um golpe simbólico, aproximando a guerra de Moscovo e mostrando que as suas defesas aéreas – incluindo as que rodeiam o Kremlin – podem ser penetradas. A campanha aérea também é vista por alguns responsáveis como um meio de incitar Washington a aprovar o pacote de assistência militar de 60 mil milhões de dólares apresentado no Congresso e que é fundamental para a defesa da Ucrânia.

    Publicidade

    spot_img
    FonteFT

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Presidente da República recebe PCA da TotalEnergies, enquanto produção de petróleo em Angola cai para 1,083 milhões bd

    O Presidente da República, João Lourenço, recebeu, esta segunda-feira, em Luanda, o Presidente do Conselho de Administração (PCA) da...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema