Terça-feira, Maio 28, 2024
20.7 C
Lisboa
More

    Equador se reserva o direito de investigar Assange, diz chanceler

    Reuters

    O Equador se reserva o direito de realizar uma investigação sobre Julian Assange, fundador do Wikileaks, por supostamente vazar informações sobre a vida pessoal do presidente Lenín Moreno, disse o ministro das Relações Exteriores nesta segunda-feira.

    Assange, que é cidadão equatoriano, mora na embaixada do país em Londres há quase sete anos. Moreno afirma que ele violou os termos de seu asilo, mas que o Equador não tem planos iminentes de expulsá-lo da embaixada.

    Na semana passada, o governo equatoriano disse ao relator especial da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre o direito à privacidade que o Wikileaks pode estar envolvido na publicação de comunicações e fotos de Moreno e sua família em rede sociais.

    “O Equador se reserva o direito de realizar investigações”, disse o chanceler, José Valencia, aos repórteres. “O Estado tem capacidade para conceder e revisar este asilo diplomático; portanto podemos realizar algumas investigações”.

    “Temos relatos de que ele possivelmente tem acesso (à internet). Isto especificamente determina as investigações que levaremos adiante”, disse ele.

    O inquérito será independente daquele realizado pelo relator especial da ONU, que deve visitar Assange em Londres em 25 de Abril, segundo Valencia.

    Assange diz que o Equador quer encerrar seu asilo, que teve início em 2012, implicando-o e ao Wikileaks em acusações de corrupção feitas contra Moreno e sua família que foram compartilhadas em rede sociais.

    Assange se refugiou na embaixada para evitar ser extraditado à Suécia, cujas autoridades queriam interrogá-lo devido a uma investigação de agressão sexual.

    Mais tarde a investigação foi encerrada, mas Assange teme ser extraditado e acusado nos Estados Unidos, onde procuradores federais estão investigando o WikiLeaks.

    No ano passado, o Equador estabeleceu novas regras para a permanência de Assange na representação, exigindo que ele pague suas contas médicas e limpe a sujeita de seu gato. Ele contestou as regras em um tribunal local e um internacional, argumentando que elas violam seus direitos humanos. As duas cortes arbitraram contra ele.

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Angola: Indícios de escândalo financeiro abalam Administração Geral Tributária

    Processos de investigação criminal na Administração Geral Tributária (AGT) em Angola, com detenções por suspeitas de corrupção na província...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema