Quarta-feira, Abril 17, 2024
23.2 C
Lisboa
More

    Empresas manifestam preocupação com a competitividade da UE em relação aos EUA e a China

    A Europa está a desindustrializar-se e precisa de uma série de políticas pró-empresas para contrariar a burocracia criada pelas políticas verdes da UE e competir com rivais globais, alertarão hoje vários chefes executivos de grandes empresas.

    A competitividade da UE caiu nos últimos anos , atingida por um aumento nos custos da energia ligado à guerra da Rússia contra a Ucrânia, pelo factor de atracção dos incentivos financeiros fornecidos pelos Estados Unidos e pelo excesso de capacidade industrial na China.

    Organizada pelo primeiro-ministro belga Alexander de Croo, uma cimeira de CEOs em Antuérpia irá endossar hoje uma declaração conjunta com uma série de exigências para a próxima Comissão Europeia, um dia depois de a presidente Ursula von der Leyen ter anunciado que queria mais cinco anos no cargo.

    A executiva sénior da ExxonMobil, Karen McKee, disse numa entrevista que a grande petrolífera dos EUA tinha US$ 20 bilhões reservados para projetos de descarbonização entre 2022 e 2027, mas que provavelmente priorizaria “outras partes do mundo” em meio à crescente frustração com a carga regulatória associada a fazer arrancar projectos na Europa.

    Figuras empresariais de empresas como a Bayer, a BASF e a Ineos apelarão conjuntamente à criação de um fundo de implantação de tecnologia limpa, um mercado único para resíduos e materiais reciclados, uma “verificação de competitividade” mais forte para a nova legislação e a nomeação de um “primeiro vice-presidente”. -presidente” da comissão para fazer tudo acontecer.

    “Precisamos de manter a indústria na Europa porque a indústria fornecerá as soluções climáticas de que a Europa necessita”, dirá a declaração conjunta, vista pelo Financial Times. “Tanto as grandes empresas como as PME enfrentam a recessão económica mais grave da última década, à medida que a procura está a diminuir, os custos de produção aumentam e os investimentos são transferidos para outras regiões.” “Uma indústria europeia competitiva, baseada num Acordo Industrial Europeu, é a condição sine qua non para o sucesso do Acordo Verde da UE”, dirá. Isto deveria incluir “incentivos para as empresas investirem em tecnologias limpas” em vez de “regulamentos de implementação prescritivos e detalhados”.

    A comissão está consciente dos desafios. A própria Von der Leyen disse em Setembro que Bruxelas iria “continuar a apoiar a indústria europeia ao longo desta transição” e convocou o antigo presidente do BCE, Mario Draghi, para escrever um relatório sobre como consertar a competitividade da UE.

    Líderes, incluindo o presidente francês, Emmanuel Macron, e o primeiro-ministro da Bélgica, Alexander de Croo, expressaram preocupações à comissão sobre o facto de a regulamentação ambiental assustar os investidores e provocar protestos generalizados por parte dos agricultores.

    A Comissão Europeia tem lutado para implementar o Acordo Verde e melhorar a competitividade europeia, em resposta a um coro crescente de advertências dos governos nacionais de que as empresas estão a evitar a UE em favor dos Estados Unidos e a China.

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Relação diz “que não há qualquer indício” de que António Costa tenha falado com Lacerda Machado sobre Sines

    O Tribunal da Relação de Lisboa não encontrou nos autos da investigação da Operação Influencer, que resultou na demissão...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema