Quarta-feira, Junho 19, 2024
19.9 C
Lisboa
More

    Empresas francesas, americanas, russas e chinesas competem para construir a primeira central nuclear do Gana

    O Gana selecionará até dezembro uma empresa para construir a sua primeira central nuclear entre concorrentes como a francesa EDF, a norte-americana NuScale Power and Regnum Technology Group e a China National Nuclear Corporation, disse uma autoridade do Ministério da Energia.

    A sul-coreana Kepco e sua subsidiária Korea Hydro Nuclear Power Corporation, bem como a russa ROSATOM, também estavam competindo pelo contrato que deverá durar a próxima década, disse Robert Sogbadji, vice-diretor de energia responsável pela energia nuclear e alternativa.

    “O gabinete aprovará a escolha final. Pode ser um fornecedor ou duas nações; dependerá do modelo financeiro e dos detalhes técnicos”, disse Sogbadji à Reuters.

    O Gana começou a considerar a construção de uma central nuclear na década de 1960, mas o processo foi prejudicado por um golpe de Estado. Ressuscitou o plano em 2006 com a assistência da Associação Internacional de Energia Atómica, após uma crise energética devastadora nesse ano.

    Sogbadji disse que 16 países e empresas responderam ao pedido de fornecedores do governo, mas uma equipe técnica de agências estatais liderada pelo Ministério da Energia reduziu o número às atuais cinco nações.

    O Gana, tal como outros países africanos, está cada vez mais a olhar para a possibilidade da energia nuclear para colmatar lacunas de abastecimento num continente onde mais de 600 milhões de pessoas não têm acesso à eletricidade.

    Burkina Faso e Uganda assinaram acordos com a Rússia e a China para construir as suas primeiras centrais nucleares. O Quénia, Marrocos e a Namíbia também estão a trabalhar para adicionar a energia nuclear ao seu cabaz energético.

    A África do Sul, que opera a única central nuclear do continente, pretende adicionar 2.500 megawatts (MW) de energia a partir deste recurso num contexto de grave escassez de energia.

    Sogbadji disse que Gana pretende adicionar cerca de 1.000 megawatts de energia nuclear ao seu mix de eletricidade até 2034.

    O país da África Ocidental, que enfrenta actualmente cortes de energia, tem 5.454 MW de capacidade instalada, dos quais 4.483 MW estão disponíveis, segundo o seu regulador energético.

    O Gana – um país exportador de petróleo, cacau e ouro – espera que a energia nuclear se torne a sua base para uma industrialização mais rápida e mais ampla, enquanto aumenta as exportações de energia para o Benim, a Costa do Marfim e o Togo, entre outros, através do Grupo de Energia da África Ocidental.

    Publicidade

    spot_img
    FonteReuters

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Nvidia torna-se empresa mais valiosa da bolsa do mundo

    A fabricante de semicondutores Nvidia se tornou, nesta terça-feira (18), a empresa mais valiosa do mundo, superando Apple e...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema