Terça-feira, Julho 23, 2024
25.2 C
Lisboa
More

    Empresas de construção representam um terço do total das insolvências em Portugal – Cosec

    O setor da construção é o mais afetado pela crise em Portugal, com um peso próximo de um terço sobre o total das 4.746 insolvências de empresas registadas no país em 2011, revelou hoje a Cosec.

    Em termos globais, as 4.746 insolvências de empresas em Portugal correspondem a um aumento de 16 por cento face ao ano anterior, ao passo que, a nível mundial, as insolvências decresceram três por cento.

    “O setor da construção representa quase um terço do total das insolvências em 2011 com uma variação homóloga de 13 por cento face ao número de casos de insolvência, tornando-se o setor mais relevante para a análise dos distritos mais afetados (Porto, 23 por cento, Lisboa, 24 por cento e Braga, 28 por cento)”, lê-se no comunicado hoje divulgado.

    A nível mundial, em 2011, as insolvências desceram três por cento. “Para 2012 perspetiva-se um aumento nas insolvências a nível mundial de três por cento, com especial incidência na Europa (12 por cento)”, antecipou a Cosec.

    “O menor crescimento que se perspetiva para a atividade comercial a nível mundial, em conjunto com políticas monetárias e fiscais mais restritivas, sobretudo na Europa, deverão refletir-se em 2012 no aumento do número de falências de empresas”, afirmou Berta Dias da Cunha, administradora da Cosec.

    A responsável acrescentou que “esta tendência será mais pronunciada na Europa, devido à retração da procura e às dificuldades de financiamento encontradas pelas empresas. Este enquadramento exigirá uma atenção especial das empresas na gestão dos seus créditos comerciais”.

    Segundo a análise anual da Cosec, a distribuição das insolvências por distrito mantém a tendência verificada nas análises trimestrais. Os distritos que registam maior número de insolvências são o Porto, com 1.164 insolvências (24 por cento do total), seguido de Lisboa, com 989, e do distrito de Braga, com 620 casos.

    Em 2011, os setores de atividade mais afetados foram o da construção (27,3 por cento) com 1.295 casos, o do retalho (15,8 por cento) com 749 casos e o dos serviços (13,6 por cento) com 644 casos.

    Para o ano, em termos mundiais, a Euler Hermes, acionista da Cosec, prevê que as insolvências aumentem 12 por cento na Europa e três por cento a nível mundial.

    “Espera-se que 25 dos 33 países revistos pelo líder mundial em seguro de créditos passem para o vermelho em 2012, com os países europeus no topo da lista, especialmente os da região do Mediterrâneo (até 19 por cento) que têm sido severamente combalidos pela actual crise”, avançou a Cosec.

    Por seu lado, segundo as mesmas previsões, as insolvências irão continuar a diminuir nas Américas e na região Ásia Pacífico, mas com uma clara mudança de ritmo, com decréscimos de, respetivamente, sete por cento e um por cento em 2012, em comparação com 12 por cento.

    Na semana passada, a Crédito y Caución tinha revelado que, segundo os seus dados, os 4.731 processos de insolvências de empresas em Portugal registados em 2011 correspondem a uma subida homóloga de 14 por cento.

    Fonte: DN

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    EUA: Onde Kamala Harris se posiciona em relação às alterações climáticas e porque é que isto a torna vulnerável aos ataques de Trump

    A retirada de Joe Biden da corrida presidencial de 2024 — cedendo a semanas de pressão após um debate...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema