Segunda-feira, Julho 22, 2024
32.8 C
Lisboa
More

    Empresa chinesa vai executar projectos para a expansão do sistema eléctrico em Angola

    O Ministério da Energia e Águas vai implementar, nos próximos dias, todos os projectos já identificados nos domínios do transporte e distribuição da energia eléctrica com uma empresa chinesa.

    A afirmação foi feita pelo ministro da Energia e Águas, João Baptista Borges, feita na quinta-feira, em Macau, República da China, onde participa de 19 a 21 deste mês, no 15.° Fórum Internacional de Investimento e Construção.

    O responsável enfatizou que a empresa chinesa seleccionada para o efeito tem “grandes” investimentos a nível mundial, na concepção e gestão de linhas de transporte de energia eléctrica.

    No entanto, a notícia divulgada pela agência Angop não menciona o nome da empresa, o valor do contrato ou a forma como a empresa foi selecionada.

    Segundo o governante, está prevista a assinatura de um protocolo de entendimento que será o guardião de um conjunto de contratos para a construção do sistema de transporte de electricidade.

    Disse que a prioridade em Angola tem a ver com a expansão do sistema eléctrico para o sul e para outros países da região, de modos a poder-se mitigar os efeitos climáticos negativos.

    Em entrevista à televisão chinesa de Macau, João Baptista Borges afirmou que em Angola já foram investidos, nos sectores da energia e águas, mais de 20 bilhões de dólares da linha de crédito da China, sendo o maior financiamento desse país asiático concentrado na barragem hidroeléctrica de Caculo Cabaça, a maior de Angola, com 2.170 MW, onde serão gastos um total de 4.5 mil milhões de dólares.

    Para o governante, é do interesse do Estado angolano ver fortalecidos os laços de amizade com a República Popular da China, recordando que foi celebrado recentemente 40 anos das relações diplomáticas, na vigência do qual foram assinados importantes acordos que traduzem o interesse de ver mais investimentos privados em Angola, sobretudo em infra-estruturas básicas, nos quais assenta o desenvolvimento económico e social do país.

    “Neste encontro queremos conhecer melhor as potencialidades da indústria e a tecnologia chinesa e conhecer melhor as empresas dos sectores de energia e águas, podendo ter a facilitação da construção de infraestruturas que nos permitam uma economia mais resiliente e trocas comerciais, assim como promover a expansão do acesso a electricidade por parte da população”, disse.

    Por outro lado, referiu que na África subsahariana as taxas de acesso a electricidade estão abaixo dos 50 por cento e particularmente em Angola está a 43, almejando elevá-la a atingir os 50 por cento, até finais de 2027, beneficiando 16 milhões de cidadãos.

    Por esta razão, prosseguiu, está a ser produzida energia mais barata e verde, por via das barragens e da tecnologia de painéis solares com o apoio da China.

    Publicidade

    spot_img
    FonteANGOP

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Trump diz que Kamala Harris será mais fácil de derrotar do que Biden

    O candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos, Donald Trump, disse à CNN neste domingo que acha que será...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema