Quinta-feira, Novembro 30, 2023
17 C
Lisboa
More

    Eleições Gerais de 2022: João Lourenço enfrenta batalha difícil após vitória apertada

    O Presidente João Lourenço enfrenta as tarefas hercúleas de consertar a economia de Angola e conquistar a sua juventude desiludida ao entrar no seu segundo mandato com um apoio dizimado, dizem analistas à AFP.

    O MPLA, que está no poder há quase meio século, ganhou 51,17 por cento dos votos nas eleições de 24 de Agosto para a Assembleia Nacional.

    O líder do partido vencedor ascende automaticamente à presidência, o que significa que Lourenço ganhou um segundo mandato para conduzir o país.

    Mas foram também os piores resultados do MPLA desde a primeira eleição democrática, em 1992. Em 2017, recolheu 61% dos votos.

    Esta queda, escreve a AFP, vai aumentar a pressão sobre Lourenço para que este cumpra com as reformas económicas e revigorará a oposição, segundo Augusto Santana, da Fundação Sem Fins Lucrativos para a Democracia.

    Ele poderá enfrentar possíveis protestos e dissidências dentro do MPLA, disse Santana à AFP por telefone a partir de Luanda: “Ele enfrenta muitos desafios”, disse.

    Lourenço, de 68 anos, chegou ao poder em 2017 quando sucedeu ao governante de longa data José Eduardo dos Santos, que deixou um país em profunda recessão e assolado por corrupção e nepotismo.

    O antigo general embarcou num ambicioso programa de reformas para enfrentar a corrupção, atrair investidores estrangeiros e diversificar a economia dependente do petróleo.

    “Sem solução rápida”

    O país acabou por sair de uma quebra de cinco anos em 2021, mas as reformas não se traduziram em melhores condições de vida para a maioria dos angolanos.

    O analista Justin Pearce disse que, devido à crise económica, o governo de Lourenço não tinha até agora “sido capaz de responder às exigências imediatas dos pobres da sociedade”.

    Agora, espera-se que o Presidente venha a proporcionar uma diversificação económica há muito prometida, longe do petróleo.

    Mas “não há solução rápida”, disse o perito angolano da Universidade de Stellenbosch, na África do Sul.

    A crise económica, agravada pela pandemia do coronavírus e por uma seca, sacrificou a maioria das pessoas, empurrando-as para os braços da oposição.

    O principal partido da oposição e antigo movimento rebelde, a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), ganhou 43,95 por cento dos votos, contra 26,67 por cento em 2017, ganhando também a capital, Luanda.

    O seu carismático líder Adalberto Costa Júnior, 60 anos, revelou-se popular nas zonas urbanas e entre os jovens descontentes com um partido no poder, que muitos pensam que ficou sem ideias.

    A afluência às urnas foi baixa, com apenas cerca de 45 por cento dos inscritos a irem trabalho de votar.

    Na terça-feira, um grande número de espectadores furiosos assaltou uma comitiva de apoiantes do MPLA a celebrar a vitória em Luanda – algo impensável apenas há alguns anos atrás, disse Santana.

    “Haverá mais protestos, porque desta vez as pessoas pensam que não há mais nada que o MPLA ainda possa fazer, que o MPLA deveria simplesmente ir e deixar espaço para os outros tentarem”, disse ele.

    Diálogo ou opressão?

    A UNITA está a contestar o resultado da votação, alegando discrepâncias na contagem, mas tentativas semelhantes falharam no passado.

    Ainda assim, terá mais deputados, o que dará à oposição mais influência no parlamento.

    Poderão também obter mais ganhos nas eleições locais a realizar nos próximos dois anos.

    Lourenço deu um tom conciliatório no seu discurso inaugural, comprometendo-se a promover o “diálogo” e a prestar particular atenção “às expectativas dos jovens”.

    Mas os recursos para dar a volta às coisas são limitados.

    Angola é o segundo maior produtor de crude de África, mas tem de importar combustível para cobrir a maior parte das suas necessidades, tendo desenvolvido apenas uma capacidade de refinação limitada ao longo das últimas décadas.

    E embora a guerra na Ucrânia tenha feito subir os preços do petróleo, também aumentou os custos dos alimentos, compensando parcialmente os ganhos das vendas de crude, disse Pearce.

    Como este poderá ser o último mandato de Lourenço, acrescentou Santana, ele também terá de lidar com a crescente oposição interna, uma vez que os quadros do partido que o substituem provavelmente se tornarão mais vocais nas suas críticas à sua liderança.

    Alex Vines, do think tank britânico Chatham House, disse que todos os olhares estão voltados para o Presidente.

    “Será que Lourenço terá realmente ouvido o que o eleitorado está a dizer? Irá ele… tentar fazer crescer a economia, reduzir as desigualdades e proporcionar mais empregos?” questiona Vines.

    “Ou haverá… uma postura de opressão e defensiva acrescida?”

    Fonte: Voz da América

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    A indústria energética alemã exige que o governo federal encontre rapidamente uma solução para a crise orçamental

    Representantes da indústria energética estão alertando que os investimentos verdes na Alemanha poderão ser paralisados, a menos que o...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema