Domingo, Abril 14, 2024
21.6 C
Lisboa
More

    Diminuem casos de doenças sazonais

    O banco de urgência da pediatria do Hospital Central do Uíge regista, há já três meses, uma redução considerável de doenças frequentes nesta época do ano, assegurou ontem a responsável da referida secção hospitalar.
    Augusta Manuela Paca referiu que a unidade não regista, neste período, casos de tétano, sarampo, meningite e varicela. Actualmente, são notificados apenas casos de crianças apoquentadas por malária, doenças diarreicas e respiratórias agudas, as mais frequentes na região. A par destas enfermidades, a secção tem registado alguns casos de pessoas mordidas por animais, sobretudo cães.
    A técnica de enfermagem revelou que, diariamente, são atendidas perto de 100 crianças com patologias diversas, números que ultrapassam a capacidade de internamento nas enfermarias da pediatria, de apenas 20 pacientes.
    Esta situação tem obrigado os profissionais da área a realizarem tratamentos ambulatórios, servindo a área de recepção do banco de urgência da pediatria para os técnicos manterem o primeiro contacto com os pacientes.
    Em seguida, os pacientes são submetidos a consulta médica para ser feita a triagem dos casos que merecem um maior acompanhamento, sendo internados, enquanto aos demais doentes é feita uma prescrição médica para levantarem os medicamentos na farmácia e prosseguirem a medicação em casa.
    Manuela Augusta Paca revelou que existem medicamentos em abundância na pediatria do Hospital Geral do Uíge, lamentando apenas o número insuficiente de médicos pediatras e enfermeiros para acudir à procura diária.
    Na pediatria funcionam seis pediatras, sendo um angolano e igual número de vietnamitas e quatro cubanos, além de 26 enfermeiros, revelou a responsável.

    São precisas mais salas

    A chefe do banco de urgência da pediatria do Hospital do Uíge defendeu a construção de, pelo menos, mais seis salas para internamento, com dez leitos cada, para responder às necessidades. O aumento de casos de malária e doenças diarreicas e, consequentemente, de crianças internadas no hospital, nos próximos dias, tendo em conta o início da época chuvosa que se avizinha, é uma das preocupações manifestadas pela responsável.
    Durante o período de chuvas, realçou, surgem muitos charcos de águas estagnadas, o capim cresce mais e as águas das cacimbas e rios ficam mais contaminadas, o que contribui para o aumento de casos de malária e de doenças diarreicas agudas.
    Augusta Paca sublinhou a necessidade da população seguir as medidas de prevenção destas doenças, como o uso de mosquiteiro, a destruição dos amontoados de lixo e charcos de águas e a desinfecção da água para consumo.

    Fonte: Jornal de Angola

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Irão lança ataque com mais de 100 drones contra Israel em retaliação

    O Irã lançou um ataque com drones contra Israel em um ato de retaliação, neste sábado (13). “Compreendemos essas...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema