Sexta-feira, Junho 14, 2024
16.4 C
Lisboa
More

    Detidos portugueses sem visto de trabalho

    Os Serviços de Migração e Estrangeiros (SME) detiveram, no sábado, em Luanda, 42 cidadãos de nacionalidade portuguesa por exercício de actividade remunerada sem visto de trabalho.
    O porta-voz dos Serviços de Migração e Estrangeiros, Simão Milagres, frisou que os cidadãos lusos, que trabalhavam numa empresa de construção civil, vão ser repatriados para o país de origem, além de pagarem uma multa em kwanzas equivalente a 1.000 dólares.
    Relativamente à empresa infractora, deve pagar o equivalente a 5.000 dólares por cada elemento.
    Na sexta-feira, os Serviços de Migração e Estrangeiros detiveram, no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro, um cidadão português, apresentado como José Machado, que transportava 32 passaportes de conterrâneos seus.
    Simão Milagres informou que, apurados os factos, tais documentos se destinavam aos consulados angolanos em Lisboa e Porto, para serem actualizados e assim ser regularizada a situação migratória dos expatriados que, com visto ordinário, entravam em Angola para exercerem actividade remunerada.
    “Eles podiam ficar no país o ano todo, mas sempre com o visto ordinário regular que, depois de vencido o tempo normal de estada, que é de 90 dias, eram enviados para Lisboa para serem postos novos vistos”, explicou Simão Milagres, acrescentando que o expediente contava com ajuda de alguém ligado aos Serviços de Migração e Estrangeiros, no aeroporto, que carimbava e actualizava o processo de entrada e saída nos passaportes. Os Serviços de Migração e Estrangeiros expulsaram, igualmente, há poucos dias, cidadãos brasileiros que exerciam actividade remunerada sem o competente visto de trabalho.

     

     

    Fonte: Jornal de Angola

    Publicidade

    spot_img

    1 COMENTÁRIO

    1. Há muito que os angolanos na diaspora aguardam medidas destas aos estrangeiros, que ao contrarios dos 30 mil angolanos, a trabalharem nas obras, (homens) e nas limpezas, (mulheres), a viverem em estrema pobreza e nas barracas sem o mínimo de condições. Em angola, vivem cerca de 700 mil portugueses com ordenados acima dos 3 mil dolares, casa-paga, transportes, alimentação e férias pagas, mesmo estando ilegais. As leis são para serem cumpridas. Estes ilegais já deviam estar em portugal. Já

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Cimeira do G7 reforça PGII e Itália anuncia contribuição de 320 milhões de dólares para o Corredor do Lobito em Angola

    A Presidente do Conselho de Ministros da Itália e Presidente do G7, Giorgia Meloni, reuniu-se com os outros Líderes...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema