Domingo, Março 3, 2024
9.8 C
Lisboa
More

    Covid-19: Angola não vai aos mercados porque custo é “absurdamente alto” – Vera Daves

    A ministra das Finanças de Angola, Vera Daves, disse hoje que o país não tem condições para emitir dívida nos mercados internacionais porque o custo é “absurdamente alto” devido à percepção sobre as contas públicas.

    “Sobre a ida aos mercados, temos de olhar para o contexto: se quiséssemos ir hoje aos mercados iríamos pagar preços absurdamente altos devido às condições económicas e de percepção relativamente à situação das nossas contas públicas”, argumentou a ministra das Finanças durante uma entrevista ao “site” AfricaNews.

    Na entrevista, Vera Daves disse que o Governo tem privilegiado a contracção de dívida a entidades multilaterais ou credores institucionais, com taxas de juro abaixo das praticadas pela banca comercial.

    De acordo com os dados da agência de informação financeira Bloomberg, os investidores estavam hoje a exigir juros na ordem dos 13%, acima dos cerca de 10% acordados na última emissão de dívida pública que Angola fez nos mercados financeiros.

    Sobre a sustentabilidade do volume de dívida face ao Produto Interno Bruto (PIB) do país, a ministra considerou que o rácio de mais de 100% é sustentável e lembrou que o Fundo Monetário Internacional (FMI), na terceira revisão ao programa, partilha a mesma opinião.

    “Esta decisão da administração do FMI mostra que aprovaram o plano do programa e prova que, apesar da forte pressão, a dívida é sustentável e por isso vamos ter acesso a um desembolso de 500 milhões de dólares [430 milhões de euros] já, e mais 500 milhões na próxima revisão, ficando disponível agora, por estes dias, um valor de mil milhões de dólares, devido ao aumento do montante total do empréstimo]”, disse a governante.

    A pandemia de covid-19 exacerbou a pressão sobre a economia angolana, que enfrenta uma recessão há quatro anos, e que se deverá prolongar por mais este ano, a que se junta a descida do preço das matérias-primas, nomeadamente o petróleo, e o abrandamento da procura e do investimento internacional.

    O conselho de administração do FMI aprovou na semana passada o pedido de Angola para o aumento da assistência financeira, desembolsando de imediato mil milhões de dólares e elevando o total do programa para quase 4,5 mil milhões de dólares.

    “A decisão do conselho de administração permite um desembolso imediato de mil milhões de dólares [847 milhões de euros] para Angola e um aumento de cerca de 765 milhões de dólares [648 milhões de euros] até ao fim do programa”, para quase 4,5 mil milhões de dólares (3,83 mil milhões de euros), anunciou então o FMI.

    No comunicado de imprensa que acompanha o anúncio, o FMI explica que esta terceira avaliação positiva da ajuda financeira dada ao abrigo da Linha de Financiamento Ampliada (Extended Fund Facility, no original em inglês) permite o desembolso de mais mil milhões de dólares, perfazendo cerca de 2,5 mil milhões de dólares (2,13 mil milhões de euros) já entregues desde a assinatura do acordo, em 07 de Dezembro de 2018.

    Publicidade

    spot_img
    FonteNJ

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Líder da Junta Militar do Chade anuncia candidatura depois do assassinato do líder da oposição

    O líder da Junta Militar do Chade, Mahamat Idriss Deby Itno, anunciou neste sábado, 2, a sua candidatura às...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema