Segunda-feira, Maio 20, 2024
13.9 C
Lisboa
More

    Cimeira sobre tecnologias e combustíveis limpos para cozinhar em Africa mobiliza 2,2 mil milhões de dólares

    A primeira Cimeira de alto nível, que decorreu no dia 14 de maio em Paris, centrada em proporcionar acesso a tecnologias e combustíveis limpos para cozinhar (cozinha limpa) a mais de mil milhões de pessoas em África que atualmente não a têm, apresentou um compromisso financeiro inovador para resolver uma das desigualdades mais persistentes e profundas do mundo.

    Co-presidida pelos líderes dos governos da Tanzânia e da Noruega, e pelo Banco Africano de Desenvolvimento e pela Agência Internacional de Energia, a Cimeira sobre Cozinha Limpa em África mobilizou 2,2 mil milhões de dólares em compromissos financeiros dos governos e do sector privado. Perto de 60 países participaramm na Cimeira, com a presença de mais de 1.000 delegados. O Presidente Emmanuel Macron da França organizou uma sessão especial para chefes de Estado e outros líderes no Palácio do Eliseu por ocasião da Cimeira.

    As ferramentas para permitir o acesso a cozinha limpa estão prontamente disponíveis e são acessíveis – e podem ter um impacto profundo na vida das pessoas em toda a África e fora dela. Mas o progresso em muitos países africanos ficou significativamente aquém do observado noutras regiões nas últimas décadas. A Cimeira de Paris marca uma etapa crucial, sendo a primeira vez que uma quantia tão grande foi dedicada ao acesso à cozinha limpa numa única reunião, com o potencial de fazer de 2024 um ponto de viragem numa questão que foi negligenciada durante demasiado tempo. Os compromissos assumidos na Cimeira somam-se a outros compromissos recentes, incluindo o do Banco Africano de Desenvolvimento na COP28 no Dubai.

    A falta de acesso a tecnologias e combustíveis limpos para cozinhar afecta mais de 2 mil milhões de pessoas em todo o mundo. Mais de metade está em África, normalmente cozinhando em fogueiras e fogões básicos. Usando carvão, madeira, resíduos agrícolas e esterco animal como combustível, eles inalam gases tóxicos nocivos e fumaça com consequências terríveis para a saúde. É a segunda principal causa de morte prematura em África. As mulheres e as crianças são responsáveis pela maior parte das vidas perdidas, a grande maioria delas na África Subsariana. As oportunidades de educação, emprego e independência são limitadas porque as mulheres passam horas todos os dias à procura de combustíveis rudimentares.

    A Presidente Samia Suluhu Hassan , da Tanzânia, afirmou: “Garantir o acesso a cozinha limpa para todos em África necessita de financiamento adequado, acessível e sustentável para soluções e inovações apropriadas; atenção global adequada; e políticas e parcerias inteligentes. O avanço bem sucedido da agenda de cozinha limpa em África contribuiria para proteger o ambiente, o clima, a saúde e garantir a igualdade de género. Esta Cimeira sublinha o nosso compromisso em fazer avançar esta agenda e fornecer um quadro para a adopção universal de combustíveis e tecnologias limpas para cozinhar em todo o continente.”

    O Primeiro-Ministro Jonas Gahr Støre, da Noruega, afirmou: “Melhorar o acesso a uma cozinha limpa tem a ver com melhorar os resultados de saúde, reduzir as emissões e criar oportunidades para o crescimento económico. Com a Cimeira de hoje, mobilizámos o apoio tão necessário e construímos uma parceria diversificada que, em conjunto, pode fazer uma verdadeira diferença. A Noruega é um firme defensor da cozinha limpa e tive o prazer de anunciar hoje que estamos empenhados em investir aproximadamente 50 milhões de dólares nesta importante causa.”

    O Presidente do Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento, Akinwumi A. Adesina, disse: “No Banco Africano de Desenvolvimento, temos o prazer de desempenhar um papel de liderança ao lado da Agência Internacional de Energia (AIE), da Tanzânia e da Noruega, para resolver definitivamente a falta de acesso a cozinha limpa, que afecta mil milhões de pessoas em África. Em concertação com os países, aumentaremos o nosso financiamento para a cozinha limpa para 200 milhões de dólares anuais durante a próxima década, ao mesmo tempo que aumentaremos a provisão de financiamento misto para a cozinha limpa através do Fundo de Energia Sustentável para África (SEFA).”

    Histórias de sucesso de outras regiões demonstram que é possível alcançar progressos rápidos e transformadores na cozinha limpa. Abordagens inovadoras semelhantes são agora necessárias em países de África. Todos os líderes presentes na Cimeira salientaram que agora é o momento de mostrar esforço, resolvendo este problema de uma vez por todas.

    Na Cimeira, mais de 100 países, instituições internacionais, empresas e organizações da sociedade civil também assinaram a Declaração de Cozinha Limpa , comprometendo-se a tornar a questão uma prioridade e a intensificar os esforços para alcançar o acesso universal para todos.

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Os EUA pretendem remodelar as cadeias de abastecimento globais na Ásia, e a China contorna isso com investimentos em países asiáticos

    Os aumentos tarifários do presidente Joe Biden sobre uma série de importações chinesas são apenas as últimas medidas dos...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema