Segunda-feira, Julho 22, 2024
32.8 C
Lisboa
More

    Brasil: Bolsonaro acusado de novos crimes

    A Polícia Federal do Brasil acusou formalmente o ex-presidente Jair Bolsonaro por lavagem de dinheiro e associação criminosa em relação a diamantes não declarados, supostamente no valor de 3 milhões de dólares, que recebeu da Arábia Saudita durante o seu mandato, e à venda de dois relógios de luxo, disse uma fonte com conhecimento das acusações.

    Uma segunda fonte confirmou a acusação sem dar pormenores sobre os crimes. Ambas as autoridades falaram sob condição de anonimato porque não estavam autorizadas a falar publicamente.

    Depois de o Supremo Tribunal Federal receber o relatório da polícia com a acusação, o procurador-geral do país analisará o documento e decidirá se apresenta queixa e obriga Bolsonaro a ser julgado.

    Esta é a segunda vez que a polícia acusa formalmente Bolsonaro de um crime. Em março, foi acusado de falsificar os seus registos de vacinas contra a COVID-19.

    A acusação aumenta drasticamente o risco de uma série de investigações sobre o antigo líder da extrema-direita. As investigações têm sido aplaudidas pelos seus opositores, mas denunciadas como perseguição política pelos seus apoiantes.

    Bolsonaro e os seus advogados negaram qualquer irregularidade relacionada com o caso e com as investigações em curso que o antigo presidente enfrenta.

    A polícia também acusou formalmente, na quinta-feira, o antigo ministro das Minas e Energia Bento Albuquerque, cujo assessor regressou com ele de uma visita a Riade, o antigo ajudante de campo de Bolsonaro Mauro Cid, alegadamente envolvido na venda de jóias, o seu advogado Frederick Wassef e o seu porta-voz Fabio Wajngarten, de acordo com uma fonte.

    Na sua conta “X”, Wajngarten disse que a acusação era “arbitrária, injusta e persecutória”, argumentando que tinha acabado de instruir Bolsonaro a devolver os presentes ao Tribunal de Contas do Brasil.

    O advogado de Cid lembrou, em comunicado, que o seu cliente tem estado sob um acordo de delação premiada com as autoridades brasileiras, afirmando que a acusação policial é apenas mais uma fase da investigação.

    Wassef disse em comunicado que apenas comprou um relógio nos Estados Unidos com o seu próprio dinheiro para o devolver às autoridades brasileiras. Segundo ele, nem Cid nem Bolsonaro lhe disseram para comprar o relógio de volta.

    Albuquerque não foi imediatamente contactado para comentar o assunto.

    O site de notícias G1 noticiou na quinta-feira que a polícia tinha acusado formalmente Bolsonaro.

    Publicidade

    spot_img
    FonteVOA

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Trump diz que Kamala Harris será mais fácil de derrotar do que Biden

    O candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos, Donald Trump, disse à CNN neste domingo que acha que será...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema