Sexta-feira, Dezembro 8, 2023
13.6 C
Lisboa
More

    Barroso diz que BCE faz bem em comprar dívida soberana

    O presidente da Comissão Europeia defendeu hoje, em Roma, que o Banco Central Europeu (BCE) não pode e não deve financiar governos nem fazer o seu trabalho, mas faz bem em actuar quando considera que não há suficiente integridade da política monetária.
    José Manuel Durão Barroso, que falava numa conferência de imprensa conjunta com o primeiro-ministro italiano, Mario Monti, antes de um encontro em Roma, escusou-se a comentar o anúncio de ontem do BCE de um novo programa de compra de dívida soberana, por não ser seu hábito comentar «anúncios específicos», mas disse poder reiterar aquilo que há muito vem defendendo, no sentido da legitimidade da actuação do Banco Central Europeu no quadro do seu mandato e em pleno respeito pela sua independência.

    «O BCE não pode e não deve financiar governos, mas, numa situação em que não há integridade da política monetária, e se os governos se comprometerem formalmente com uma disciplina estrita, é apropriado, e dentro do mandato do BCE, actuar», sustentou.

    Durão Barroso disse acreditar que «o BCE está a actuar absolutamente no quadro do seu mandato, para manter a integridade da política monetária», e essa «é uma parte essencial do seu mandato, tal como é, obviamente, manter a estabilidade dos preços».

    Questionado sobre se a decisão de hoje do BCE revela de algum modo um certo fosso entre as instituições europeias, o presidente do executivo comunitário rejeitou tal ideia, sublinhou que as instituições da UE «têm diferentes papeis», e «o BCE não pode desempenhar o papel da Comissão ou do Conselho, assim como a Comissão ou o Conselho não podem desempenhar o papel do BCE».

    O BCE anunciou hoje em Frankfurt um programa de ‘Transacções Monetárias Directas’ para a aquisição de obrigações de países da zona euro no mercado secundário de dívida soberana, num montante «sem limites».

    O presidente do BCE, Mario Draghi, disse que este programa se destinará a obrigações entre um e três anos, ou de maturidades mais longas mas que vençam num prazo até três anos, destacando que estas aquisições estarão sujeitas a «condicionamentos rigorosos».

    O BCE só irá adquirir dívida de países que estejam sob «um programa de ajustamento macroeconómico total [como é o caso de Portugal] ou de um programa preventivo, desde que este inclua a possibilidade de aquisições da parte» dos mecanismos europeus de estabilidade.

    Draghi precisou ainda que o novo mecanismo só deverá comprar dívida pública de Portugal quando o país tentar voltar aos mercados, em Setembro de 2013.

    FONTE: Lusa

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Trump vai recorrer de decisão contra pedido de imunidade em caso eleitoral

    O ex-presidente dos EUA Donald Trump indicou, nesta quinta-feira, que irá recorrer da decisão de uma juíza dizendo que...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema