Terça-feira, Maio 21, 2024
20.1 C
Lisboa
More

    Barbárie na RD Congo deixa 21 mortos, incluindo crianças decapitadas

    (Foto de PHIL MOORE/AFP/Arquivos)
    (Foto de PHIL MOORE/AFP/Arquivos)

    Pelo menos 21 pessoas morreram, entre elas várias crianças, em um ataque de “extrema brutalidade” no leste da República Democrática do Congo (RDC), denunciou a Missão da ONU para a Estabilização desse país (Monusco), em um comunicado divulgado nesta segunda-feira à noite.

    De acordo com a nota, “pelo menos 21 corpos” foram descobertos nas aldeias ao redor de Musuku e Mwenda, no território de Beni, na rica e instável província do Norte de Kivu.

    “As vítimas – entre elas mulheres e crianças, uma delas com apenas meses de vida – foram mortas com extrema brutalidade, a maioria assassinada a facadas em 13 e 14 de Dezembro”, de acordo com a nota.

    “Três menores foram estupradas pelos agressores antes de serem decapitadas. O corpo mutilado e desmembrado de um menino foi encontrado debaixo de uma árvore, no povoado de Musuku”, acrescentou o comunicado.

    A Monusco não menciona os autores do ataque.

    Em nota, a sociedade civil do Norte de Kivu avalia que “a carnificina foi cometida pelos rebeldes ugandeses das ADF-Nalu (Forças Aliadas Democráticas – Exército Nacional para a Libertação de Uganda)”.

    No mesmo comunicado, os representantes da sociedade civil pedem ao Exército congolês e à Monusco que “se comprometam com operações de perseguição das ADF-NALU para libertar a região” desses rebeldes. Eles são acusados, frequentemente, de cometer assassinatos, sequestros e roubos. Essas práticas têm provocado um deslocamento significativo da população.

    A Monusco, que pediu a abertura de uma investigação “o mais rápido possível”, anunciou o reforço das patrulhas no sector e que “utilizará todos os meios necessários para garantir a protecção das populações”.

    No comunicado da organização, o chefe da Monusco, Martin Kobler, expressou sua “profunda repulsa”.

    “Essas atrocidades não ficarão impunes. Os autores não terão descanso enquanto não responderem por seus atos perante a Justiça”, garantiu.

    O grupo ADF-Nalu assola a parte norte da província do Norte do Kivu, na fronteira com Uganda. Nasceu em meados dos anos 1990, da fusão de dois grupos armados opostos ao presidente ugandês, Yoweri Museveni, no poder desde 1986. A parte Nalu já desapareceu, mas o movimento mantém o seu nome de origem.

    Hoje composta unicamente de islamitas, as forças da ADF-Nalu são lideradas desde 2007 por Jamil Mukulu, um cristão convertido ao Islão. O governo dos Estados Unidos colocou o grupo na sua lista de organizações terroristas desde 2001. Além disso, Jamil Mukulu é alvo de sanções da ONU desde 2011, e da União Europeia desde 2012.

    Em Julho, na região de Kamango, cidade situada a 80 quilómetros da cidade de Beni, rebeldes ugandeses enfrentaram o Exército congolês. Milhares de pessoas refugiaram-se no Uganda. Vários prédios e hospitais públicos foram pilhados, segundo moradores. (afp.com)

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Presidente da República recebe PCA da TotalEnergies, enquanto produção de petróleo em Angola cai para 1,083 milhões bd

    O Presidente da República, João Lourenço, recebeu, esta segunda-feira, em Luanda, o Presidente do Conselho de Administração (PCA) da...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema