Sábado, Julho 20, 2024
20.1 C
Lisboa
More

    Autoridades “recuam” no apelo ao regresso às zonas libertadas em Cabo Delgado

    O secretário permanente de Mocímboa da Praia, João Saraiva, apelou nesta segunda-feira, 25, a população para que espere por orientações estatais para regressar à região.

    Esta posição sugere um “recuo” nos pedidos do Governo, que nos últimos meses “despachou” centenas de deslocados de Quitunda (Afungi) para aldeias de Mocímboa da Praia e Palma, distritos ainda a braços com focos de ataques terroristas em Cabo Delgado.

    “As pessoas estão a regressar e nós achamos que, se calhar, elas não estão a perceber as nossas mensagens, apelando para que esperem mais um pouco”, disse João Saraiva citado pela emissora estatal, Rádio Moçambique.

    O posicionamento do dirigente surge quase um mês depois das autoridades de Mocímboa da Praia terem recebido o primeiro grupo de 123 civis autorizados a regressar ao distrito, a 9 de Junho, de um grupo de cerca de 62 mil pessoas, que abandonaram a vila costeira, a maioria em 2020, quando foi tomada, por um ano, pelos rebeldes.

    Em Maio, António Supeia, Secretário de Estado de Cabo Delgado vincou que o Governo estava a acelerar o plano de reconstrução da província e a criar condições para o regresso seguro da população, e ao mesmo tempo disponibilizar condições mínimas dos serviços públicos.

    “Nós temos a população a regressar, e a população é a nossa razão de existência, razão pela qual estamos a dizer que devemos ser os primeiros a criar as condições, para prestar serviço à população”, disse António Supeia, após anunciar o regresso de 300 funcionários públicos ao distrito de Muidumbe.

    Na ocasião, citado pela Rádio Moçambique, o governante disse que regresso dos funcionários e da população ocorria na medida em que o avanço da força conjunta de Moçambique e Ruanda, e da tropa regional da África Austral, permitiu um total controlo sobre a área desabitada desde a invasão e a tomada das sedes distritais em 2020.

    O governador provincial, Valige Tauabo, já tinha igualmente apelado o regresso às populações, afiançando que “a única forma para nós vencermos esta luta que estamos a travar contra o terrorismo, é nas nossas aldeias, e sermos vigilantes e denunciantes de todos aqueles que são estranhos nas nossas aldeias, em tempo útil, não denunciar muito depois”.

    Novos ataques

    Um ataque no final de Junho matou, pelo menos, uma pessoa e feriu outras quatro quando um grupo armado emboscou uma minibus, quase 10 quilómetros a norte da sede distrital de Mocímboa da Praia.

    A carrinha de transporte fazia a ligação entre Palma e Mueda, passando por Mocímboa da Praia, na única estrada asfaltada, o que forçou a activação depois de escoltas militares no troço.

    O Estado Islâmico reivindicou outro ataque a 23 de Julho, referindo ter queimado dezenas de casas, propriedades e veículos, na aldeia Mitope, no distrito de Mocímboa da Praia.

    Para o analista moçambicano Wilker Dias, as recentes investidas dos grupos armados, que tem se movimentado para o sul devido a sua expulsão nalgumas áreas do norte – onde mantém ataques esporádicos e visíveis -, e o receio de infiltração dos insurgentes na população deixaram cair a propaganda do Governo sobre o regresso seguro da população.

    “Por um lado, o recuo do Governo é para evitar que a população regresse de forma desenfreada para alguns pontos de Cabo Delgado, e nisto evitar infiltração dos terroristas (nas zonas libertadas) e por outro devido o reacender dos ataques em zonas” que já eram tidas como seguras, incluindo Mocímboa da Praia, disse o analista que defendeu hoje o título de mestrado, cuja tese era sobre a insurgência em Cabo Delgado.

    A insurreição, com inspiração radical islâmica, irrompeu em 2017, deixando pelo menos 4.000 segundo a ACLED e cerca de 870.000 desalojados. As táticas brutais dos insurgentes- incluindo decapitações, raptos em massa, e o incêndio de aldeias inteiras – continuam a abalar a região.

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Apagão global afeta companhias aéreas, bancos e hospitais

    Um dos maiores apagões cibernéticos registrados nos últimos anos afetou várias atividades nesta sexta-feira (19) em todo o planeta,...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema