Segunda-feira, Julho 15, 2024
20.3 C
Lisboa
More

    As finanças públicas dos países da zona euro representam um grande risco, alerta o BCE

    Os membros da zona euro devem começar a reduzir a dívida imediatamente face aos enormes riscos fiscais a longo prazo decorrentes do envelhecimento da população, das despesas com a defesa e das alterações climáticas, advertiu o Banco Central Europeu.

    “Esses desenvolvimentos serão desafiadores, e os países enfrentarão todos eles simultaneamente”, disse quarta-feira o BCE. “Consequentemente, ações precisam ser tomadas hoje – especialmente em países com dívidas altas” lutando com taxas de juros elevadas.

    De acordo com o BCE, os esforços orçamentários necessários em resposta a esses desafios específicos podem chegar a pelo menos 5% do produto interno bruto. “O ajuste fiscal necessário é grande pelos padrões históricos, mas não sem precedentes”, disse.

    O alerta chega em um momento de grande preocupação sobre a sustentabilidade das finanças públicas no bloco de 20 países — principalmente na França, onde o anúncio chocante de eleições antecipadas levantou dúvidas sobre a consolidação fiscal, desencadeando turbulência no mercado.

    Na quarta-feira, a Comissão Europeia repreendeu a França, a Itália e vários outros países da União Europeia por apresentarem déficits orçamentários acima do limite de 3% do bloco.

    “Os desafios da sustentabilidade fiscal são baixos em todos os estados-membros da UE no curto prazo, enquanto são elevados no médio e longo prazo em vários países, devido às projeções de índices de dívida altos e/ou crescentes em alguns estados-membros”, disse a comissão .

    O BCE afirmou que, além das questões orçamentais existentes, que muitas vezes se reflectem em elevados rácios de dívida, surgem outros desafios que “resultarão em encargos fiscais significativos nas próximas décadas”. Entre eles, disse, está a digitalização.

    Os governos teriam de aumentar “imediata e permanentemente” os saldos primários em 2% do PIB, em média, para alcançar um rácio dívida pública/PIB de 60% até 2070, a partir dos níveis de dívida actuais, afirmou o BCE.

    Além disso, o envelhecimento, os gastos com a defesa e as alterações climáticas poderão aumentar o défice médio em cerca de mais 3% do PIB, afirmou. A digitalização é excluída do cálculo devido “à incerteza específica” que envolve as suas implicações.

    Embora todos os países devam agir, o relatório encontra “considerável heterogeneidade entre países nos esforços fiscais necessários” — com estimativas que variam de 0,5% a quase 10% do PIB.

    “As políticas económicas devem procurar reduzir gradualmente os altos níveis de dívida pública e se preparar para o futuro, o que também ajudará a garantir um ambiente sólido para a condução da política monetária única da área do euro”, afirmou o BCE.

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Trump é retirado de comício na Pensilvânia após disparos

    O ex-presidente americano Donald Trump, candidato à reeleição, foi retirado do palco neste sábado durante um comício na Pensilvânia,...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema