Segunda-feira, Junho 24, 2024
29.1 C
Lisboa
More

    Anora de Sean Baker vence Palma de Ouro em Cannes. Miguel Gomes recebe Melhor Realização com Grand Tour

    O realizador norte-americano recebeu o prémio de Melhor Filme no Festival de Cinema de Cannes pelo qual “trabalhou toda a sua vida”. Entre os portugueses, Miguel Gomes é o melhor realizador e Daniel Soares recebeu menção honrosa pela curta “Mau por um momento”.

    O 77º Festival de Cinema de Cannes chegou ao fim e o filme americano Anora, de Sean Baker, ganhou a Palma de Ouro deste ano.

    Um dos favoritos do público na Croisette este ano (e a nossa principal escolha para ganhar a Palma), Anora é o mais recente filme de Baker, depois da estreia em Cannes dos seus filmes The Florida Project e Red Rocket.

    O júri, presidido pela atriz e realizadora Greta Gerwig, selecionou Anora entre 22 filmes em competição este ano – uma seleção particularmente eclética e vibrante. E os prémios deste ano refletem este grupo variado de filmes.

    Baker dedicou a sua Palma a “todos os trabalhadores do sexo – passado, presente e futuro”. É uma comédia de parafusos cinética de Nova Iorque que partilha a energia caótica de Uncut Gems dos irmãos Safdie – um conto de fadas moderno sobre Pretty Woman que funciona como uma tragédia sobre aqueles que a sociedade escolhe marginalizar e preparar para falhar. O filme atraiu as atenções para o ator Mikey Madison, e é um prémio merecido para um filme tão alegre e enganadoramente sombrio.

    Vale a pena mencionar que Anora foi comprado pelo estúdio americano NEON, que já ganhou a Palma de Ouro cinco vezes consecutivas, depois de Parasite, Titane, Triangle of Sadness e Anatomy of a Fall. Considerando que os acordos foram fechados antes do festival, a vitória de Anora torna-os, mais uma vez, os detentores oficiais da Palma de Ouro.

    O prémio de Melhor Realizador foi para o cineasta português Miguel Gomes, pelo seu poético sonho febril Grand Tour, que retrata a história de um funcionário público britânico que foge da noiva saltando de um país asiático para outro, enquanto ela tenta encontrá-lo.

    Protagonizado pelos atores Gonçalo Waddington e Crista Alfaiate, o filme mistura segmentos a preto e branco com cenas antropológicas contemporâneas, e culmina de forma surpreendente e comovente.

    Miguel Gomes recebeu o prémio das mãos do grande realizador alemão Wim Wenders, e não esqueceu outros grandes mestres da sétima arte nacional como Manoel de Oliveira, que o “inspirou a fazer cinema”.

    O realizador Daniel Soares recebeu uma Menção Honrosa pela curta-metragem Bad for a Moment (“Mau por um Momento”).

    Veja a lista completa dos vencedores abaixo.

    O Grande Prémio, o segundo classificado, foi para All We Imagine As Light, o hipnotizante filme de Payal Kapadia. Um filme tardio sobre as ligações entre três mulheres de Mumbai de diferentes idades é o primeiro filme indiano na competição de Cannes em 30 anos – o último foi Swaham de Shaji Karun em 1994.

    O realizador francês Jacques Audiard obteve um grande prémio este ano, com o seu filme Emilia Pérez a ganhar dois prémios – uma raridade em Cannes, uma vez que os filmes tendem a ganhar apenas um prémio.

    Emilia Pérez ganhou o Prémio do Júri e o Prémio de Melhor Atriz, atribuído ao conjunto do elenco deste musical em língua espanhola: Zoé Saldaña, Karla Sofía Gascón, Selena Gomez e elenco. Gascón torna-se a primeira atriz transgénero a ganhar um prémio de representação em Cannes; dedicou o prémio à comunidade trans.

    Audiard já tinha ganho a Palma de Ouro em 2015 por Dheepan, e estes dois prémios são muito merecidos. A decisão do júri, anunciada por Lily Gladstone, refere que o filme celebra “a harmonia da irmandade”.

    Este ano, o júri criou um prémio especial – o Prémio Especial do Júri – para homenagear Mohammad Rasoulof pelo seu filme The Seed of the Sacred. O filme iraniano era apontado como um dos favoritos à Palma de Ouro e obteve as reações mais entusiásticas dos espetadores – bem como a ovação mais longa, aos 15 minutos. No entanto, acabou por ficar com este prémio especial. A vitória de Rasoulof foi aplaudida de pé no Teatro Lumière, onde o realizador mencionou o seu elenco e equipa que estão detidos no Irão, aqueles “que permanecem sob o olhar atento do regime totalitário iraniano, que mantém o meu povo refém”. O realizador mencionou também o músico Toomaj Salehi, condenado à morte no Irão por apoiar os protestos nacionais desencadeados pela morte de Mahsa Amini.

    Jesse Plemons ganhou o prémio de Melhor Ator pelo seu triplo papel no filme antológico de Yorgos Lánthimos, Kinds of Kindness. Infelizmente, o ator não estava presente.

    Como referimos na nossa crítica: “O elenco é brilhante, com Plemons a roubar o espetáculo, especialmente nos dois primeiros segmentos. Cada vez mais magro a cada capítulo, o ator consegue fazer com que o pathos, a insegurança e a ameaça pareçam um passeio no parque. É como se tivesse trabalhado com Lánthimos toda a sua vida – e talvez ainda o faça, já que tanto ele como Stone foram confirmados como protagonistas do próximo filme de Lánthimos, Bugonia.”

    O Melhor Argumento, apresentado pelo ator francês Laurent Lafitte (que fez uma crítica ao ChatGPT, para melhor celebrar o ofício de argumentista em detrimento da Inteligência Artificial), foi atribuído ao “arrojado e maravilhosamente louco” The Substance, da realizadora francesa Coralie Fargeat. A realizadora agradeceu à atriz principal, Demi Moore, e sublinhou o orgulho que sente pelo fruto da sua colaboração.

    O filme, que muitos previram que ganharia um prémio maior durante a cerimónia, é um dos destaques da competição deste ano, uma viagem selvagem e sangrenta.

    Na nossa crítica, escrevemos: “Ao mostrar como a indústria do entretenimento leva as mulheres a extremos para se manterem empregáveis, Frageat explora os padrões de beleza impossíveis da sociedade, a forma como certas indústrias médicas armam a sua fetichização da juventude para obterem lucro, bem como o ódio interiorizado resultante da misoginia sistémica. Pode não ser particularmente profundo, mas a forma selvagem reflete enfaticamente o conteúdo; a violência de desaparecer aos olhos da sociedade e a auto-aversão que decorre do facto de este trauma externo se ter interiorizado só podem ser expressas de uma forma igualmente cruel.”

    Em suma, um conjunto merecido de vencedores, com poucos sobressaltos ou grandes surpresas, e uma ovação de pé para George Lucas, que foi homenageado este ano com uma Palma honorária – que lhe foi entregue por Francis Ford Coppola.

    A lista completa dos vencedores:

    – Palma de Ouro: Anora (Sean Baker)

    – Grande Prémio: All We Imagine As Light (Payal Kapadia)

    – Prémio do Júri: Emilia Pérez (Jacques Audiard)

    – Prémio Especial do Júri: A Semente do Figo Sagrado (Mohammad Rasoulof)

    – Melhor Realizador: Miguel Gomes (Grand Tour)

    – Melhor Atriz: Conjunto para Emilia Pérez (Zoé Saldaña, Karla Sofía Gascón, Selena Gomez e elenco)

    – Melhor Ator: Jesse Plemons (Kinds of Kindness)

    – Melhor Argumento: The Substance (Coralie Fargeat)

    Outros prémios:

    – Camera d’Or: Armand (Halfdan Ullmann Tøndel)

    – Menção Especial Camera d’Or: Mongrel (Chiang Wei Liang e You Qiao Yin)

    – Palma de Ouro para a curta-metragem: The Man Who Could Not Remain Silent (Nebojša Slijepcevic)

    – Menção especial de curta-metragem: Bad For A Moment (Daniel Soares)

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Biden e Trump se enfrentam em primeiro debate na quinta-feira

    O primeiro debate entre o democrata Joe Biden e o republicano Donald Trump na corrida à Casa Branca, marcado...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema