Sábado, Abril 20, 2024
20 C
Lisboa
More

    Angola: PGR anuncia leilões de bens recuperados

    O procurador-geral da República, Hélder Pitta Groz, anunciou, esta quinta-feira, em Luanda, para breve, a realização de leilões e venda em hasta pública do património imobiliário, apreendido no âmbito do combate à corrupção em curso no país, desde 2017.

    Hélder Pitta Groz, que falava à margem do “Workshop sobre confisco de activos para magistrados dos tribunais superiores de Angola”, sem especificar o número de imóveis a leiloar, frisou que algumas unidades de produção ligadas à indústria serão privatizadas.

    De acordo com últimos dados, Angola recuperou, até à presente data, mais de sete mil milhões de dólares norte-americanos, no âmbito do processo de combate à corrupção e recuperação de activos.

    Parte deste dinheiro está a ser utilizado no Programa de Investimento e Intervenção nos Municípios (PIIM), na construção de escolas e outras infra-estruturas sociais.

    No entanto, no mesmo período, foram apreendidos e requerido o arresto de valores monetários, participações sociais, imóveis e outros bens móveis no valor de mais de 12 mil milhões de dólares norte-americanos que aguardam por decisão judicial.

    Em relação aos recuperados no exterior, o magistrado avançou que o processo corre os trâmites legais, pois “quando há um arresto, a princípio já há uma imposição, portanto, é indiferente que haja colaboração ou não”.

    Avançou que a recuperação de activos fora do país requer a cooperação internacional e são mecanismos com regras e legislação próprias, cuja resolução demora um certo período de tempo, salientado que existe abertura “para o diálogo contínuo e acredito que estaremos em condições de dar alguma informação mais credível a posterior“.

    Quanto aos casos do antigo Vice-Presidente da República, Manuel Vicente, e da ex-PCA da Sonangol, Isabel dos Santos, o procurador adiantou que os processos estão em aberto e em segredo de justiça.

    “Não devemos publicitar o que se está a fazer, quando o processo se encontra em instrução ou investigação. Estamos a trabalhar e há processos mais complexos que os outros que necessitam de mais cooperação institucional, “ sublinhou.

    Intervenções da ONU e da UE

    Já a coordenadora das Nações Unidas em Angola, Zahira Virani, na abertura do seminário, ressaltou o Executivo pelo seu compromisso no combate aos fluxos financeiros ilícitos, à corrupção e a criminalidade económica e demonstrado esforços para assumir uma liderança regional neste combate global.

    Elogiou o caminho que Angola tem percorrido no combate à criminalidade económica, lembrando que as Nações Unidas continuarão apoiar estes esforços do país para a construção de um desenvolvimento equitativo, sustentável e inclusivo para todos.

    Congratulou a PGR por ter sido premiado, neste mês de Outubro, pela Rede de Inter-Agências de recuperação de Activos para Àfrica Austral (ARINSA), como a instituição que mais recuperou e se empenhou na prevenção e combate a corrupção, nos crimes económicos e financeiros.

    Para Paulo Simões, da secção Política da União Europeia em Angola, os tribunais têm um papel crucial no sistema de confisco de Activos, pois a sua intervenção exige uma complexa preparação técnica de base e uma coordenação apropriada com as restantes instituições no tratamento destes temas.

    Angola tem feito progressos significativos, disse, e demonstrado uma apropriação exemplar, acompanhada de uma firme vontade de se fortalecer e proteger nestas matérias e de se concertar com os outros países, vizinhos e parceiros internacionais.

    Defendeu que não basta somente perseguir, capturar e punir os criminosos, mas também criar mecanismos de gestão e aplicação destes activos recuperados, de modo que possam ser novamente aplicados nos sectores de Desenvolvimento Sustentável, como recomenda as Nações Unidas.

    O workshop é mais uma actividade que se integra no âmbito do Projecto de Apoio ao Fortalecimento do Sistema Nacional de Confisco de Activos em Angola, financiado pela União Europeia (UE), e tem como objectivo desenvolver um sistema eficaz de combate aos fluxos financeiros ilícitos e contribuir para um maior crescimento económico e para a redução da pobreza em Angola.

    A formação neste âmbito permite aos magistrados partilharem conhecimentos, experiências e desafios com o objectivo de desenvolverem uma abordagem comum, baseada na lei e nas melhores práticas internacionais.

    Com esse workshop pretende-se melhorar o conhecimento de todos os Magistrados dos Tribunais Superiores de Angola, nomeadamente do Supremo, Constitucional e dos de Relação para que possam melhor decidir em processos de primeira instância e recursos de confisco de activos.

    Esta iniciativa está alinhada com as recomendações do Grupo de Combate ao Branqueamento de Capitais da África Oriental e Austral (ESAAMLG), que incentiva Angola a continuar a recuperar os proveitos de todos os crimes subjacentes de branqueamento de capitais.

    Publicidade

    spot_img
    FonteANGOP

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Terminam audiências de julgamento por escândalo ‘Panama Papers’

    As audiências do julgamento por suposta lavagem de dinheiro contra os fundadores do extinto escritório de advocacia panamenho Mossack...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema