Quarta-feira, Abril 17, 2024
20 C
Lisboa
More

    África do Sul: eleições a 29 de maio, potencialmente as mais importantes desde o fim do apartheid

    A África do Sul vai realizar eleições nacionais cruciais a 29 de maio, uma vez que as sondagens mostram que o Congresso Nacional Africano, que governa, poderá perder a maioria pela primeira vez desde que chegou ao poder com a queda do apartheid, há 30 anos.

    O Presidente Cyril Ramaphosa anunciou a data na terça-feira, numa altura em que a economia mais desenvolvida de África enfrenta uma miríade de problemas sob o seu partido ANC.

    Estes problemas incluem o desemprego recorde, uma crise de eletricidade que levou a apagões incapacitantes para casas e empresas, e a desconfiança generalizada dos eleitores na sequência de uma série de alegações de corrupção ao longo dos anos.

    Várias sondagens prevêem que o partido, outrora amplamente admirado em todo o mundo e liderado por Nelson Mandela, irá descer abaixo dos 50% dos votos pela primeira vez desde que ganhou as primeiras eleições na África do Sul, em 1994, anunciando uma nova democracia após o fim do domínio da minoria branca.

    Se perder a sua maioria, o ANC terá de entrar numa coligação para permanecer no governo e manter Ramaphosa – um protegido político de Mandela – como presidente para um segundo e último mandato de cinco anos. A África do Sul nunca teve uma coligação a nível nacional devido ao domínio do ANC.

    Nas eleições gerais, os sul-africanos votam num partido e não num candidato presidencial. Em seguida, são atribuídos aos partidos lugares no Parlamento de 400 lugares, de acordo com a sua quota-parte de votos, e os legisladores elegem o Presidente.

    O presidente tem sido sempre do ANC devido à sua maioria parlamentar.

    Prevê-se que o ANC continue a ganhar a maior parte dos votos, mas uma sondagem aponta para uma queda drástica para menos de 40%.

    O principal partido da oposição sul-africana, a Aliança Democrática centrista, está em conversações para formar uma coligação de partidos da oposição com o objetivo de forçar o ANC a sair completamente do governo, embora todos esses partidos tivessem de aumentar consideravelmente a sua percentagem de votos para ultrapassarem coletivamente os 50%.

    O terceiro maior partido, os Combatentes da Liberdade Económica, EFF, de extrema-esquerda, não está envolvido nessa coligação da oposição, mas tem vindo a atrair mais apoio do ANC e foi o único dos três principais partidos a aumentar a sua quota nas últimas eleições gerais.

    O líder da Aliança Democrática, John Steenhuisen, disse que o anúncio da data das eleições iniciou “uma contagem decrescente para um momento histórico em que a África do Sul tem a oportunidade de se salvar de 30 anos de fracasso do ANC, corrupção e captura do Estado”.

    A EFF afirmou que as eleições são “uma oportunidade para todos os sul-africanos porem fim à miséria que sofremos como nação sob a governação incompetente, corrupta e mal orientada do partido no poder, o ANC”.

    Publicidade

    spot_img
    FonteVOA

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Relação diz “que não há qualquer indício” de que António Costa tenha falado com Lacerda Machado sobre Sines

    O Tribunal da Relação de Lisboa não encontrou nos autos da investigação da Operação Influencer, que resultou na demissão...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema