Quarta-feira, Junho 19, 2024
17.8 C
Lisboa
More

    A China está de volta à África desta vez com mais investimentos e menos empréstimos

    O principal programa de cooperação económica da China está a ser relançado após uma pausa durante a pandemia global, com a África como foco principal, de acordo com uma análise da Reuters sobre empréstimos, investimentos e dados comerciais.

    Após o rescaldo da dívida dos países africanos, a China está de volta com investimentos diretos. Os líderes chineses têm citado milhares de milhões de dólares em investimentos em novos projectos e registaram o comércio bilateral como prova do seu compromisso em ajudar a modernizar o continente e promover a cooperação “win-win”.

    Mas os dados revelam uma relação mais complexa, que ainda é em grande parte focado na industria extractiva e que até agora não conseguiu corresponder a alguma da retórica de Pequim sobre a Iniciativa Cinturão e Rota , a estratégia do Presidente Xi Jinping para construir uma rede de infra-estruturas que ligue a China ao mundo.

    Embora o novo investimento chinês em África tenha aumentado 114% no ano passado, de acordo com o Griffith Asia Institute da Universidade Griffith da Austrália, este centrou-se fortemente em minerais essenciais para a transição energética global e nos planos da China para relançar a sua própria economia em declínio.

    Esses minerais e petróleo também dominaram o comércio. À medida que vacilam os esforços para aumentar outras importações de África, incluindo produtos agrícolas e bens manufacturados, o défice comercial do continente com a China aumentou.

    Os empréstimos soberanos chineses, que já foram a principal fonte de financiamento para as infraestruturas de África, estão no seu nível mais baixo em duas décadas. E as parcerias público-privadas (PPP), que a China tem apontado como o seu novo veículo de investimento preferido a nível mundial, ainda não ganharam força em África.

    O resultado é uma relação mais unilateral do que a China afirma querer, dominada pelas importações de matérias-primas africanas e que alguns analistas argumentam que contém ecos das relações económicas da Europa da era colonial com o continente.

    A China rejeita tais afirmações.

    “África tem o direito, a capacidade e a sabedoria para desenvolver as suas relações externas e escolher os seus parceiros”, escreveu o Ministério dos Negócios Estrangeiros da China em resposta às perguntas da Reuters, acrescentando “o apoio prático da China ao caminho de modernização de África, de acordo com as suas próprias características, tem sido bem recebido por um número crescente de países africanos.”

    UM PIVOT COM POTENCIAL?

    O envolvimento da China em África, um foco da Iniciativa Cinturão e Rota (BRI), cresceu rapidamente nas duas décadas anteriores à pandemia da COVID-19. As empresas chinesas construíram portos, centrais hidroeléctricas e caminhos-de-ferro em todo o continente, financiados principalmente através de empréstimos soberanos. Os compromissos anuais de empréstimos atingiram um pico de 28,4 mil milhões de dólares em 2016, de acordo com a Iniciativa Global da China da Universidade de Boston.

    Mas muitos projectos revelaram-se não rentáveis. Enquanto alguns governos lutavam para pagar os empréstimos, a China cortou os empréstimos. Com o COVID-19 os projectos de construção chineses em África caíram.

    Actualmente, não se espera uma recuperação dos empréstimos soberanos. Em vez disso, os decisores políticos em Pequim têm pressionado as empresas chinesas a assumirem participações no capital e a operarem infraestruturas que constroem para governos estrangeiros. O objectivo, dizem os analistas da China, é ajudar as empresas a ganhar contratos de maior valor e, ao dar-lhes participação no jogo, garantir que os projectos sejam economicamente viáveis.

    A Nairobi Expressway, avaliada em 668 milhões de dólares, uma parceria público-privada construída e gerida pela estatal China Road and Bridge Corporation (CRBC), poderá ser uma prova de conceito para o modelo em África. Desde que foi inaugurada em agosto de 2022, a estrada com portagem tem permitido aos passageiros ultrapassar os notórios engarrafamentos de trânsito da capital queniana, superando as metas de receitas e de utilização.

    Mas poucas empresas estão a seguir o exemplo da CRBC em África. Embora globalmente cerca de 45% dos empréstimos não emergenciais chineses tenham sido concedidos a SPVs de 2018 a 2021, o ano mais recente para o qual estão disponíveis os números da AidData, o número foi de apenas 27% para África.

    Os analistas apontam para uma série de razões prováveis, incluindo a falta de quadros jurídicos para as PPP em muitos países africanos e a opinião entre algumas empresas chinesas – muitas delas relativamente recém-chegadas às PPP – de que os mercados africanos são arriscados.

    CRESCENTE ENGAJAMENTO

    O Griffith Asia Institute estimou o envolvimento total da China em África – uma combinação de contratos de construção e compromissos de investimento – em 21,7 mil milhões de dólares no ano passado, tornando-a no maior beneficiário regional.

    Dados do American Enterprise Institute, um think tank com sede em Washington, mostraram que os investimentos atingiram quase 11 mil milhões de dólares em 2023, o nível mais elevado desde que começou a acompanhar a actividade económica chinesa em África em 2005.

    Cerca de 7,8 mil milhões de dólares foram destinados à mineração, como a mina de cobre Khoemacau, no Botswana, que a chinesa MMG Ltd comprou por 1,9 mil milhões de dólares , e minas de cobalto e lítio em países como a RD Congo, Namíbia, a Zâmbia e o Zimbabué.

    A procura de minerais críticos também está a impulsionar a construção de infraestruturas. Em Janeiro, por exemplo, as empresas chinesas prometeram até 7 mil milhões de dólares em investimentos em infraestruturas no âmbito de uma revisão do seu acordo de joint venture de cobre e cobalto com a República Democrática do Congo.

    As potências ocidentais e do Golfo também estão a correr para liderar a transição energética mundial, com os governos dos Estados Unidos e da Europa a apoiarem o Corredor do Lobito , uma ligação ferroviária para transportar metais da Zâmbia e do Congo para a costa atlântica de África.

    Quando questionados sobre o declínio nos empréstimos para infraestruturas africanas, os responsáveis chineses apontam para um pivô no comércio e no investimento, argumentando que o comércio gerado pela BRI aumenta a riqueza e o desenvolvimento de África.

    O comércio bilateral atingiu um recorde de 282 mil milhões de dólares no ano passado, de acordo com dados alfandegários chineses. Mas, ao mesmo tempo, o valor das exportações de África para a China caiu 7%, principalmente devido a um declínio nos preços do petróleo, e o seu défice comercial aumentou 46%.

    Com um dos maiores défices comerciais de África em relação à China, o Quénia tem pressionado para aumentar o acesso ao segundo maior mercado consumidor do mundo, conquistando-o recentemente para abacates e marisco. Mas as pesadas regulamentações de saúde e higiene significam que os consumidores chineses permanecem fora do alcance de muitos produtores.

    A menos que as nações africanas possam acrescentar valor às suas exportações através do aumento do processamento e da produção, a Africa está a exportar minerais brutos para a China para alimentar a sua economia.

    Publicidade

    spot_img
    FonteReuters

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Nvidia torna-se empresa mais valiosa da bolsa do mundo

    A fabricante de semicondutores Nvidia se tornou, nesta terça-feira (18), a empresa mais valiosa do mundo, superando Apple e...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema