Quarta-feira, Abril 17, 2024
23.2 C
Lisboa
More

    A África do Sul utilizará reservas de contingência em ouro e divisas para reduzir os passivos da dívida

    A África do Sul irá livrar-se das suas “jóias da coroa” para reduzir os passivos da dívida externa. Isto mostra até que ponto a economia sul-africana e as finanças públicas estão enfraquecidas. A decisão ocorre poucos dias depois do anúncio das eleições gerais de maio de 2024.

    A África do Sul avaliará anualmente a Conta de Reserva de Contingência de Ouro e Câmbio (GFECRA) mantida no banco central e retirará dela quando os fundos estiverem disponíveis, disse o ministro das Finanças, Enoch Godongwana, à Reuters na quinta-feira.

    Godongwana disse no seu discurso sobre o orçamento anual na quarta-feira que o governo estava a alterar o quadro que rege a conta GFECRA para lhe permitir sacar 150 mil milhões de rands (8 mil milhões de dólares) ao longo dos próximos três anos para limitar os seus empréstimos.

    A África do Sul está a debater-se com uma economia em dificuldades e uma dívida elevada antes das eleições gerais de 29 de maio, que poderão fazer com que o partido do governo, Congresso Nacional Africano, perca a sua maioria parlamentar pela primeira vez desde o fim do apartheid, há 30 anos.

    Godongwana disse à Reuters que usar os fundos para reduzir o passivo da dívida do país é mais eficaz do que alocá-los para gastos.

    “Enfrentamos um grande desafio de dívida que está a excluir todas as outras despesas”, disse Godongwana.

    A conta GFECRA captura ganhos e perdas nas transacções de reservas em moeda estrangeira do país e tem um saldo de mais de 500 mil milhões de rands, maior do que as perdas de reservas plausíveis decorrentes das flutuações do rand, disse o Tesouro Nacional.

    O Tesouro disse que o levantamento do GFECRA resultaria numa poupança de cerca de 30 mil milhões de rands em custos do serviço da dívida ao longo dos próximos três anos e ajudaria a reduzir o rácio dívida/PIB, agora projetado para atingir o pico de 75,3% do PIB em 2025/26, de uma estimativa de 77,7% observada em novembro.

    Alguns analistas propuseram que o dinheiro fosse usado para pagar as dívidas de empresas estatais em dificuldades, como a Transnet, a empresa portuária e de logística.

    Mas Godongwana disse que dar dinheiro à Transnet seria “apenas colocar dinheiro num buraco”. Em vez disso, disse ele, a empresa deveria implementar a sua estratégia de recuperação e utilizar o seu balanço para resolver os desafios que enfrenta.

    Parte dessa estratégia envolve a privatização de partes do negócio que a Transnet já não consegue manter, uma questão controversa para os sindicatos, especialmente num ano eleitoral.

    Analistas disseram que o fato de o governo ter acesso mais frequente aos recursos do GFECRA também levanta preocupações sobre o dinheiro ser usado para esclarecer a má gestão fiscal.

    Godongwana disse que o quadro desenvolvido protegeria contra isto, mas acrescentou que, se não for bem guardado, existe o risco de futuras administrações poderem desfazer essas salvaguardas.

    Por: Editor Económico
    Portal de Angola

    Publicidade

    spot_img
    FonteReuters

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Relação diz “que não há qualquer indício” de que António Costa tenha falado com Lacerda Machado sobre Sines

    O Tribunal da Relação de Lisboa não encontrou nos autos da investigação da Operação Influencer, que resultou na demissão...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema