Radio Calema
InícioAngolaSociedadePolícia em Luanda no encalço dos marginais que invadiram casa do jornalista...

Polícia em Luanda no encalço dos marginais que invadiram casa do jornalista da Rádio Despertar tido como crítico do regime

Entretanto, a Polícia Nacional já se pronunciou e disse estar a par da situação, conforme fez saber o porta-voz da polícia em Luanda.

O superintendente Nestor Goubel garantiu que a Polícia está no encalço dos marginais com vista a esclarecer o caso.

Ludmila Pinto, esposa do jornalista Cláudio Emanuel Pinto (Cláudio In), foi esta terça-feira torturada, espancada e cortada em ambos os braços por dois criminosos que invadiram a sua residência na Centralidade do Kilamba(KK 5000).
(DR)

A denúncia do crime em questão

A sociedade civil angolana alertou que ontem a esposa de Cláudio Pinto, jornalista da Rádio Despertar – órgão considerado próximo da Unita na oposição – foi espancada e ferida com arma branca nos dois braços dentro de casa, nas imediações de Luanda, por homens não identificados. De acordo com o marido, jornalista conhecido pelas suas críticas à acção do governo, os autores da agressão teriam por intuito silenciá-lo, estes últimos tendo deixado uma mensagem referindo que se tratou de um “aviso”.

De acordo com o activista angolano Dito Dali que esteve em contacto com o jornalista, “agentes não identificados – mas ele (Cláudio Pinto) alega que são agentes dos serviços de inteligência – usaram uma chave profissional e entraram no interior da casa, encontraram a esposa e começaram a brutalizar. Os mesmos informaram a esposa que fizeram aquela acção para que o marido dela se calasse e deixaram uma carta, carta essa que não está disponível ao público”.

Da conversa com o jornalista Cláudio Pinto, o militante sublinha ainda que este último está convencido de que os autores da agressão pertencem aos serviços de inteligência nomeadamente devido às circunstâncias e ao método utilizado na ocorrência. “Primeiro, ele disse que tinha recebido chamadas anónimas com ameaças de que se não parasse de criticar o regime, poderia se surpreender e acredito que ‘a surpresa’ era essa. Segundo, a forma como eles entraram no interior da casa, só podem ser os serviços secretos, só eles é que têm a técnica para entrar numa casa sem deixar rasto. Não levaram nada. A única missão deles era mesmo estrangular a esposa ou a família do jornalista com o objectivo de atingir esse jornalista.”

Ao confirmar que há uma queixa-crime para averiguar o que está por detrás desta agressão, Dito Dali refere que a família está em choque, que “a esposa está a receber a assistência de psicólogos” e que “o jornalista neste momento nem está a conseguir sair de casa para ir trabalhar. Tem prestado todo o apoio e ajuda possível à mulher.”

Embora refira acreditar que “as autoridades vão investigar esse caso”, o activista comenta que se vive actualmente “um momento de terror porque temos um governo ilegítimo e esse regime ilegítimo acha que para se afirmar, é necessário usar a violência. Nós vivemos num ambiente tenebroso. Os activistas cívicos são constantemente detidos e espancados”.

Para além do caso envolvendo a família do jornalista da rádio despertar, Dito Dali dá conta de outros casos do mesmo teor, nomeadamente a situação de uma jornalista da Rádio Ecclésia. “Tenho informações sobretudo sobre Esmeralda Chiyaka, jornalista da rádio Ecclésia, que tem feito um trabalho excelente e que tem sido ameaçada constantemente. Escrevem textos no Facebook, associam o trabalho dela à Unita, ela não é militante da Unita, deixam-lhe aviso que ‘se ela continuar, terá um destino impróprio’. Isso tem sido recorrente. Desde o momento em que Angola convocou a realização das quintas eleições que aconteceram a 24 de Agosto, a jornalista tem estado a sofrer essa perseguição. Na verdade, esse é o ambiente em que nós vivemos aqui. Nos últimos dois anos, não morreu nenhum jornalista, mas não deixaram de espancar jornalistas. E essas intimidações todas que fazem contra os jornalistas, é para ver se conseguem dissuadir os jornalistas de exercer a sua profissão”.

Cláudio Pinto, jornalista da Rádio Despertar.
(© Facebook)

Isto sucede no momento em que Mário de Oliveira, ministro das telecomunicações, tecnologias de informação e comunicação social de Angola que acaba de tomar posse na segunda-feira, disse ser aberto às críticas designadamente sobre a actuação dos órgãos públicos. “Esta mensagem é simplesmente para o ‘boi dormir’, porque aceitar ou estar aberto às críticas, é despartidarizar a comunicação social de Angola”, considera Dito Dali que ao qualificar de “desastroso” o desempenho da comunicação social de Angola, argumenta que “não existe contraditório, o regime usa e abusa destes meios públicos para perseguir e atacar a oposição. Não existe abertura aí. Então se ele diz que está aberto às críticas, ele tem que abrir, tem que despartidarizar a TPA, a televisão e os jornais públicos, para dar voz às outras pessoas que não fazem parte do regime.”

Evocando a perspectiva da manifestação pela cidadania convocada pela Unita para o sábado 24 de Setembro, o militante recorda que “a manifestação está prevista na Constituição da República de Angola, no seu artigo 47°. Qualquer cidadão, organizações cívicas ou políticas têm o direito de sair à rua para manifestar o descontentamento ou repudiar qualquer acção que tenha sido cometida pelo regime. A Marcha pela cidadania, pela liberdade e pela despartidarização das instituições, eu acredito que tomaram uma boa iniciativa. Esperamos que o governo faça respeitar as leis, cumpra com a constituição, não persiga ninguém. Não precisa de brutalizar ninguém, é um direito que assiste a todos nós, é um exercício normal da democracia. Infelizmente, nas ditaduras, encontramos obstáculos e resistências à mudança”, conclui o activista.

Refira-se ainda que Angola acaba de vivenciar um processo eleitoral marcado pela contestação da vitória do MPLA com um pouco mais de 51% dos votos face aos seus mais directos adversários da Unita que obtiveram quase 44% dos votos. Tanto o principal partido de oposição, como organizações da sociedade civil, têm denunciado fraudes, detenções e tentativas de intimidação contra quem coloca em dúvida a transparência e isenção do pleito.

Foi neste contexto tenso que João Lourenço tomo posse na passada quinta-feira para um segundo mandato como Presidente da República, tendo sido empossados os novos deputados no dia seguinte e o novo governo nesta segunda-feira.

Siga-nos

0FãsCurtir
0SeguidoresSeguir
0InscritosInscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.