Radio Calema
InícioAngolaSociedadeChocolate Brás quer contribuir com as políticas educacionais em Angola

Chocolate Brás quer contribuir com as políticas educacionais em Angola

O professor Chocolate Brás está em Curitiba, Brasil, a estudar para o seu doutoramento em Políticas Educacionais.

Ele foi aceite na Universidade Federal do Paraná (UFPR) em 2020 e quer estudar como a política de formação de professores em Angola foi desenhada no século XXI (2000-2020) para mostrar os actores que intervieram, as decisões que foram tomadas e como tudo isso criou uma política forte de formação para os professores angolanos.

“Temos uma relação histórica com o Brasil muito forte. A relação histórica entre Angola e Brasil é uma relação que anima muito para quem quer estudar as duas realidades, a sua aproximação e muito mais”.

Brás explicou que escolheu a UFPR devido ao histórico da universidade – uma das mais antigas do Brasil – a experiência da instituição em termos de programa de pós-graduação, e também pelo contato que manteve com professores do programa em projetos de extensão e pesquisa conjunta, mesmo estando em Angola.

“Em Angola não existe, programas de doutoramento em educação. Então não temos outra opção a não ser frequentar uma instituição estrangeira, preferencialmente de Portugal ou Brasil”.

O professor acredita que o contributo dele pode ser grande para a educação em Angola já que as políticas de educação na maioria dos países africanos de língua portuguesa começaram a ser construídas apenas nos últimos anos, após o final das guerras. “Entendo que existe ainda necessidade de o país ter e formar especialistas em diversas áreas de educação, sobretudo no que se refere as políticas educacionais, que é de fato a minha linha de pesquisa.”

Brás espera que o estudo do doutoramento lhe proporcione um outro olhar sobre a educação e as políticas educacionais em Angola. Ele também quer contribuir com seminários e publicar um livro sobre políticas educacionais relacionando a realidade de Angola com a do Brasil, Portugal e Moçambique. “A ideia é tentar ver como as políticas são pensadas nesses países e como podem ser aprimoradas para o bem-estar das pessoas, porque acreditamos que é a partir da educação que conseguimos desenhar um país melhor”.

Siga-nos

0FãsCurtir
0SeguidoresSeguir
0InscritosInscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.