Radio Calema
InícioCrónicas e ArtigosIslamização em Angola: Um perigo à vista? - Ireneu Mujoco

Islamização em Angola: Um perigo à vista? – Ireneu Mujoco

Depois do alerta do veterano nacionalista Luís Neto( Kiambata), no programa ÁFRICA MAGAZINE da Rádio Nacional de Angola, conduzido pelo categorizado jornalista Amilcar Xavier, sobre o perigo que representa a presença do em ISLÃO em Angola, apontando o exemplo de Moçambique, hoje foram postos a circularem áudios nas redes sociais em que quatro cidadãos denunciam tentativa de rapto de seus filhos num parque de diversão no bairro Miramar, em Luanda, por duas senhoras identificadas como fiéis muçulmanas, cujas acções não foram concretizadas graças à pronta intervenção dos seus progenitores.

Pode-se ouvir no áudio que as senhoras que apenas falavam árabe, atraíram as crianças com gelados e doces, sem que os seus pais dessem por elas, durante algum tempo, até que foram encontradas, e o propósito era mesmo levá-las para um destino incerto.

Verdade ou a mentira, a grande preocupação é que, nos últimos tempos, muitas crianças estão a desaparecer misteriosamente. Basta olharmos para a tela da TV ZIMBO e vermos o número de pessoas que reclamam pelos seus filhinhos perdidos ou levados para cárceres privados.

No meu ponto de vista, essas denúncias devem ser levadas à Polícia Nacional para investigar e apurar se são mesmo crentes muçulmanas, cristãs, judias, ou outras que se fazem passar por aquelas que confessam a religião fundada pelo profeta Maomé?

O meu amigo David Já, um muçulmano de inteira gema, com quem lido há 19 anos, sempre mostrou-me que o Islão é uma religião de bem e os muçulmanos também são pessoas de bem. Aliás, disto não tenho a menor dúvida. Mas, é preciso que a nossa Polícia Nacional entre já em acção para investigar estes casos para se evitar males maiores.

In Facebook

Siga-nos

0FãsCurtir
0SeguidoresSeguir
0InscritosInscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.