Radio Calema
InícioAngolaSociedadeProfessores de Caxito saem às ruas no Dia Nacional do Educador

Professores de Caxito saem às ruas no Dia Nacional do Educador

Centenas de professores saíram às ruas de Caxito, hoje, para celebrar o Dia Nacional do Educador, que se assinala neste 22 de Novembro, em Angola. Mas os profissionais também se queixam das más condições de trabalho.

Neste 22 de Novembro, o Dia Nacional do Educador em Angola, os professores do Bengo não têm muito a comemorar. Faltam materiais, como giz e apagadores, e muitos reclamam da perda do poder de compra devido à desvalorização do Kwanza, a moeda angolana.

Mesmo assim, muitos deles esperam que estes problemas sejam resolvidos o mais rápido possível.

Segundo o educador Carlos de Castro, de Caxito, “os professores passam por muitas dificuldades remuneratórias”.

Já o professor Fernando Miguel reforça que “o trabalho do professor deveria ser valorizado todos os dias”.

Professores em Caxito nesta segunda-feira (22.11)
(DR)

Qualidade do ensino
Numa altura em que se debate a qualidade de ensino em Angola, o docente universitário e gestor escolar Isaías Simão entende que muitas áreas de apoio a professores e estudantes precisam de melhorias.

“Há um conjunto de áreas que devem concorrer [para ajudar] docentes e os próprios estudantes, como os transportes escolares”.

O sindicalista César António manifesta apoio às preocupações dos professores, e acrescenta que “não há muito empenho do Governo para resolver os problemas destes profissionais”.

Avanços?
Mas há quem considere que há avanços no setor de ensino angolano.

À DW África, o secretário de Estado para Ensino Secundário do Ministério da Educação, Gildo Matias José, disse que a alteração do vínculo do regime probatório para o quadro do pessoal definitivo de mais de 40 mil agentes da educação possibilitará benefícios aos educadores.

“Estamos a falar de um concurso público de acesso que certamente permitirá a atualização de carreiras”, disse.

Segundo ele, “cerca de 180 mil carreiras dos professores terão, a partir de dezembro, o seu salário valorizado por conta da sua situação académica ou profissional”.

A última semana, porém, foi marcada pela continuação de uma greve dos professores universitários angolanos, que exigem aumento salarial, melhores condições laborais, além do pagamento de subsídios.

FonteDW

Siga-nos

0FãsCurtir
0SeguidoresSeguir
0InscritosInscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.