Radio Calema
InicioAngolaSociedadeProfessores universitários regressam às aulas com um aviso se Governo não cumprir

Professores universitários regressam às aulas com um aviso se Governo não cumprir

Os professores do ensino superior público em Angola decidiram retomar as aulas esta segunda-feira, 22, mas admitem voltar à greve, por tempo indeterminado, se, até ao dia 3 de Janeiro, de 2022, o Governo não honrar os compromissos que assumiu com os profissionais da classe.

A decisão foi tomada pela assembleia geral organizada, na última sexta-feira (19), pelo Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Superior (SINPES), cerca de duas semanas depois da suspensão das aulas em todas as universidades públicas do país.

Para o secretário-geral do sindicato, Eduardo Peres Alberto, o Governo prometeu satisfazer a maioria das reivindicações durante o próximo mês de Dezembro, com destaque para o início das eleições para a escolha dos gestores nas unidades orgânicas, a partir do dia 14.

O sindicalista diz, entretanto, que os professores concluíram que “o Governo promete muito e cumpre pouco, daí a decisão dos professores de interpolar a greve”.

A organização sindical assinou na passada quarta-feira, 17, um “memorando de entendimento” com os ministérios das Finanças, do Ensino Superior e do Trabalho e Segurança Social que visa satisfazer as oito reivindicações da classe.

Na altura, o secretário-geral do Sindicato, Peres Alberto, há havia avisado que qualquer incumprimento nas promessas da entidade patronal seria “motivo de greve” e que a interpolação de greves seria a decisão mais acertada dos professores.

Com base nos entendimentos alcançados, o Governo prometeu elevar o salário do professor catedrático ao equivalente a cinco mil dólares e dois mil para o professor assistente estagiário.

Na actualidade, um professor catedrático tem um salário de 400 mil kwanzas, muito aquém dos 500 dólares americanos.

Entre outras reivindicações, os professores exigem o seguro de saúde, a melhoria das condições de trabalho, infra-estruturas para as instituições de ensino superior, a formação dos docentes e trabalhadores não docentes e um fundo de investigação científica e publicações.

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.