Radio Calema
InicioAngolaSociedadePolícia reprime marcha por Inocêncio de Matos

Polícia reprime marcha por Inocêncio de Matos

Marcha que assinalava esta quinta-feira, em Luanda, um ano da morte do estudante Inocêncio de Matos foi reprimida com violência pela polícia. Há relatos de detenções, mas manifestantes advertem que não se vão calar.

Em declarações à DW África, após a detenção e dispersão dos manifestantes pela polícia, Alfredo de Matos, pai de Inocêncio de Matos, morto em Novembro de 2020, disse esta quinta-feira (11.11) que não entende as razões que motivaram a acção policial.

“O acto foi completamente reprimido”, afirmou à DW África. “É algo que só seria comparável a um autêntico estado de sítio. A organização e alguns jovens foram imediatamente presos, brutalmente violentados.”

“Resolvemos por força disso retirarmo-nos do local”, referiu ainda.

Pai pede responsabilização pelo homicídio
Na sequência da actuação policial, Alfredo de Matos apela à intervenção do Presidente angolano, João Lourenço, para se responsabilizar o autor do disparo que vitimou o seu filho há um ano e cujas circunstâncias permanecem por apurar.

Também Amélia Aguiar, jornalista angolana que participou na marcha, diz estar revoltada com o papel dos órgãos do Estado.

“Em quase cinco anos, o regime do Presidente João Lourenço já matou mais do que o regime de José Eduardo dos Santos em 38 anos. Estou muito revoltada”, asseverou.

Polícia cerca manifestantes
Luanda esteve esta quinta-feira repleta de agentes da polícia, distribuídos por quase todas as áreas da cidade, para impedir a manifestação.

Depois de terem sido reprimidos na Santa Ana, local da concentração, os activistas tentaram dirigir-se para a Avenida Brasil, o destino da marcha. Porém, o local já estava ocupado por agentes da autoridade.

Apesar da acção da polícia, o activista angolano Dito Dali frisa que a luta para se exigir a responsabilização do autor da morte de Inocêncio de Matos vai continuar.

“Não é a polícia que fica a violar constantemente a Constituição, os direitos dos cidadãos, alegando que a manifestação não foi autorizada. Ninguém precisa de autorização, ela carece sim de uma comunicação. Ao fazer isso, está gravemente a violar os direitos dos cidadãos e nós não podemos permitir. Vamos continuar a resistir até que a justiça seja feita pela morte de Inocêncio de Matos”, garantiu o activista aos microfones da DW África.

A polícia angolana argumenta que reprimiu a manifestação porque a mesma não foi autorizada pelo governo da província de Luanda.

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.