Radio Calema
InicioMundoÁfricaAtaque a quatro localidades na RDC leva a êxodo de centenas

Ataque a quatro localidades na RDC leva a êxodo de centenas

Homens armados atacaram e ocuparam, na noite de domingo para hoje, quatro localidades controladas pelo exército da RDC na província de Kivu Norte, leste do país, junto à fronteira com o Uganda, anunciou o porta-voz do Governo.

Patrick Muyaya, ministro da Comunicação e Media, disse à imprensa belga, citada pela agência AFP, que a acção dos homens armados, que não identificou, provocou ainda a fuga de cerca de mil pessoas para o vizinho Uganda.

“Várias posições das Forças Armadas da República Democrática do Congo (RDC) foram atacadas durante a noite de domingo para segunda-feira numa zona estratégica da fronteira com o Uganda”, afirmou o governante.

Aimé Mukanda Mbusa, líder comunitário na região de Rutshuru, território alvo dos ataques e que dista 80 quilómetros da capital provincial, Goma, disse à agência EFE ser difícil identificar os atacantes, mas acrescentou que alguns habitantes disseram ter visto o antigo comandante do M23, Sultani Makenga, em Chanzu, uma das quatro localidades atacadas.

As outras três localidades são Ndiza, Runyonyi e Chinyangurube.

O M23, formado maioritariamente por antigos militares governamentais que desertaram em protesto contra o Governo central, em Kinshasa, começou as acções armadas no início de 2012.

Em Novembro de 2012 ocuparam Goma, cidade com cerca de 700 mil habitantes, durante duas semanas.

A ONU acusou então o M23 de receber apoio económico e assistência militar do Ruanda, designadamente de receber ordens diretas de oficiais do Exército ruandês.

Consequentemente, os Estados Unidos e o Reino Unido congelaram durante vários meses as suas ajudas financeiras e programas de cooperação com o Ruanda, apesar de o Presidente deste país, Paul Kagamé, ter negado qualquer relação com o M23.

A pressão diplomática levou o M23 a retirar-se de Goma e a iniciar conversações com o Governo da RDC.

Em 2017, alguns combatentes do M23 lamentaram a lenta aplicação dos acordos saídos das negociações e organizaram vários ataques perto da fronteira com o Uganda.

O leste da RDC é cenário há mais de 20 anos de um conflito alimentado por milícias rebeldes e ataques do exército governamental, apesar da presença da missão de paz da ONU (MONUSCO), que mantém cerca de 14 mil “capacetes azuis” na região.

A falta de alternativas e garantias de estabilidade e subsistência levaram milhares de cidadãos da RDC a pegar em armas e, segundo a ferramenta de acompanhamento da segurança Kivu Security Tracker, a região é agora campo de batalha de pelo menos 122 grupos rebeldes.

As províncias de Kivu Norte e a vizinha Ituri encontram-se sob estado de sítio e administração militar desde Maio deste ano como resposta à violência crescente no leste do país.

Em finais de Outubro, o projecto de investigação independente Congo Research Group advertiu que desde então mais de mil civis foram assassinados nessas duas províncias.

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.