Radio Calema
InicioAngolaSociedadeDetidos dois efetivos da polícia angolana suspeitos de fornecer munições a assaltantes

Detidos dois efetivos da polícia angolana suspeitos de fornecer munições a assaltantes

Dois efectivos da Polícia Nacional, na província de Benguela, foram detidos por suspeita de fornecerem munições para armas de fogo de marginais, para a realização de assaltos, informou hoje o Serviço de Investigação Criminal (SIC) local.

Segundo o porta-voz do SIC em Benguela, Vitorino Kotingo, em declarações à ​​​Rádio Nacional de Angola, são dois efectivos da unidade operativa de Benguela, detidos no último fim de semana, que alegadamente já praticavam há algum tempo este tipo de crime.

Também na província do Zaire, a porta-voz do SIC local, Susana Sebastião, disse que um agente da polícia é suspeito de fornecer armas de fogo aos marginais, que actuavam em Mbanza Congo, capital da província.

“Chegou ao nosso conhecimento que cidadãos foram encontrados, mediante mandados de detenção, em posse de uma arma de fogo, que presumivelmente adquiriu a um efectivo”, disse Susana Sebastião, frisando que diligências estão em curso para se encontrar o verdadeiro proprietário da arma.

As autoridades angolanas têm manifestado nos últimos tempos preocupação com o elevado número de crimes violentos que se registam no país, com recurso a armas de fogo.

Na semana passada, o Presidente de Angola, João Lourenço, pediu, no seu discurso sobre o estado da nação, um maior controlo das autoridades sobre as armas de fogo, por serem elevadas as quantidades que “acabam facilmente por ir parar nas mãos dos meliantes”.

“A polícia deve exercer maior controlo sobre as empresas de segurança privada, não devem ser portadoras de armas de guerra, cujo armamento deve ser periodicamente contabilizado e registado pelas autoridades competentes”, referiu João Lourenço.

O porta-voz da Polícia Nacional, Orlando Bernardo, anunciou na semana passada que as empresas têm a partir deste mês até seis meses para deixarem de fazer uso de armas de guerra, trocando-as para armas de defesa.

Segundo Orlando Bernardo, muitas das armas em posse das empresas de segurança são de má qualidade e são essas que “normalmente aparecem nos crimes”.

Orlando Bernardo disse ainda que há um maior controlo dos armeiros das forças de defesa e segurança, sendo por esta altura “muito difícil ter uma arma fora do armeiro que não esteja controlada”.

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.