Radio Calema
InicioCiências e TecnologiaCientistas portugueses descobrem forma de reduzir gordura visceral nos humanos

Cientistas portugueses descobrem forma de reduzir gordura visceral nos humanos

Uma equipa de cientistas portugueses, do centro Champalimaud, descobriu interações neuroimunes capazes de queimarem a gordura visceral que os seres humanos acumulam perto de órgãos vitais como, por exemplo, o coração ou o fígado.

Esta nova descoberta abre caminho para o combate de doenças como a obesidade, diabetes ou até vários tipos de cancro.

Henrique Veiga Fernandes, investigador, diretor da Champalimaud Research e um dos autores do estudo pioneiro que foi publicado na revista Nature, começou por explicar-nos o que foi descoberto concretamente.

“O que nós descobrimos é que a gordura visceral, que é aquela gordura que em cada um de nós se acumula na cavidade abdominal, na barriga, que apesar de parecer muito uniforme, na realidade é muito complexa e inclui, para além de células de gordura, células do sistema nervoso e do sistema imunitário”, começou por explicar o cientista.

Henrique Veiga Fernandes e a sua equipa fizeram uma descoberta inédita para a ciência: “O que nós descobrimos na realidade foi que para controlar a gordura que está na nossa cavidade abdominal, a dita gordura visceral, é preciso que o sistema nervoso e as células do sistema imunitário, nessa mesma gordura, colaborem entre si para que o nosso corpo consiga queimar essa gordura”.

Esta gordura é bastante problemática do ponto de vista de saúde pública pois, segundo o cientista, “está altamente associada com o desenvolvimento de 13 tipos distintos de cancro, incluindo dois que são bastante prevalentes na Europa, nomeadamente, o cancro da mama e o cancro colorretal, mas estão também na origem de doenças cardiovasculares que são uma das principais causas de morte no mundo”.

A gordura visceral está também associada à predisposição para o desenvolvimento de diabetes do tipo 2, que começa com a resistência à insulina.

“Esta é uma nova forma de controlar a gordura que se acumula nas nossas barrigas e, portanto, isto abre novos horizontes muito importantes para novas formas de intervenções terapêuticas em situações de obesidade”, complementou o investigador.

Estas novas descobertas na área científica foram o motor para a criação da LiMM Therapeutics, uma startup do Centro Champalimaud, que vai dar seguimento a estas pesquisas.

“Ao longo do tempo, as várias descobertas que temos vindo a fazer, levaram-nos a criar uma startup, que explora justamente este diálogo entre o sistema nervoso e o sistema imunitário em várias indicações médicas. Uma delas é a obesidade e as doenças metabólicas”, salientou.

Neste momento, estão a ser criadas formulações para “novos medicamentos que possam ser utilizados para o tratamento de distúrbios metabólicos e obesidade”.

Henrique Veiga Fernandes referiu que, no futuro, quer continuar a estudar “esta relação entre o sistema nervoso e o sistema imunitário”.

“Neste momento, o que estamos a explorar, de forma intensa, é justamente este diálogo entre o sistema nervoso e o sistema imunitário no contexto da doença oncológica – do cancro. Como é que poderemos utilizar estas informações e o papel de cada um destes sistemas para melhor compreender os diferentes tipos de cancro e para o desenvolvimento de novas abordagens terapêuticas, tendo como objectivo último, obviamente, a cura do cancro”, rematou.

FonteRFI

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.