Radio Calema
InicioMundo LusófonoMoçambiqueVerónica Macamo diz que caso dívidas ocultas não afugenta investimentos de Moçambique

Verónica Macamo diz que caso dívidas ocultas não afugenta investimentos de Moçambique

A ministra dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação de Moçambique garante que a prioridade do seu Governo neste momento é assegurar a libertação e a reconstrução das localidades e infra-estruturas destruídas pelos insurgentes na província de Cabo Delgado e o regresso dos deslocados.

Em entrevista à VOA, Verónica Macamo afirma que o caso das dívidas ocultas não afasta investimentos do país devido ao julgamento que decorre, o que demonstra transparência, e que o tempo de permanência das tropas do Ruanda e da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC) em Cabo Delgado vai depender da análise da situação no terreno.

“O que foi acordado quer com o Ruanda quer com a SADC é que o tempo seria visto em função da disponibilidade no terreno, mas o que posso dizer é que nós estamos a trabalhar coma União Europeia, com os Estados Unidos, com outros países para a formação das nossas forças armadas e capacitá-las para estarem em condições de defender as populações e o território contra o terrorismo”, diz Macamo, acrescentado de que, segundo sabe, “até aqui não há este posicionamento”.

Durante a sua permanência em Nova Iorque onde participou na Assembleia Geral das Nações Unidas, a chefe da diplomacia moçambicana manteve contactos com o Governo americano e com empresários dos Estados Unidos, na procura de investimentos para o país.

Dívidas ocultas e investimento estrangeiro

Nesses encontros, ela afirma ter destacado a reforma fiscal em curso para atrair investimentos e lembra que “há muito por onde investir, na agricultura, pescas, indústria, infraestutura, turismo, um terreno que oferece muitas oportunidades”.

Questionada, Macamo assegura que o caso das dívidas ocultas, que lesou o país em cerca de 2,2 mil milhões de dólares, não coloca em causa o investimento externo em Moçambique.

“Se eu fosse investidor pensaria que num país onde onde há julgamento público, que tudo sai para ser conhecido, de facto é o melhor sítio para investir. Penso que o julgamento vai tirar ilações, tirar conclusões sobre o que aconteceu, nós estamos interessados nisto, e vai tomar as medidas de acordo com as disposições legais, por isso, nao parece que seja um problema”, assegura a ministra, quem sublinhou estar apostada na ”diplomacia económica”.

Na entrevista, a ministra dos Negócios Estrangeiros e Cooperação confirma ter recebido muito apoio para a candidatura de Moçambique a membro não permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas em 2023, “onde poderemos levar a nossa experiência na resolução de conflitos”, marca a posição do seu Governo em defender mais vacinas, através da libertação dos direitos e da produção em África, bem como uma distribuição equitativa, e aborda a campanha do Executivo para conseguir recursos para financiar o plano de recuperação de Cabo Delgado, orçado em 300 milhões de dólares.

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.