Radio Calema
InicioMundo LusófonoMoçambiqueChefe da diplomacia moçambicana disponibiliza experiência do país na resolução de conflitos

Chefe da diplomacia moçambicana disponibiliza experiência do país na resolução de conflitos

Verónica Macamo defende candidatura de Moçambique a membro não permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas e pede mais vacinas

A chefe da diplomacia moçambicana afirmou na Assembleia Geral das Nações Unidas que a candidatura do seu país a membro não permanente do Conselho de Segurança da organização “constitui a expressão do nosso firme compromisso com a construção e manutenção da paz e segurança internacionais, a preservação e respeito pelos direitos humanos e a promoção do desenvolvimento sustentável”.

A fazer a defesa da candidatura nesta segunda-feira, 27, Verónica Macamo acrescentou que Maputo país quer “colocar à disposição das Nações Unidas a modesta, mas razoável, experiência de Moçambique na prevenção, mediação e resolução de conflitos com recurso ao diálogo”.

O terrorismo ocupou um espaço importante no discurso da ministra moçambicana, para quem é “uma ameaça séria à paz e segurança a níveis nacional, regional e global”.

Com o país envolvido numa guerra contra insurgentes em Cabo Delgado, a ministra dos Negócios Estrangeiros e Cooperação destacou o nível de destruição do tecido económico e social, as atrocidades e massacres, a destruição de infra-estruturas e a pilhagem de bens das comunidades, que, segundo ela, “semearam luto, dor e sofrimento profundos, que gerou uma situação de emergência humanitária sem precedentes”.

Verónica Macamo agradeceu a ajuda da comunidade internacional pela assistência dada, tendo, no entanto, destacado a presença das forças da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral e do Ruanda que, referiu, “felizmente” têm resultado em “progressos no combate ao terrorismo”.

“África está entre os continentes mais afectados pelo terrorismo e pelo extremismo violento”, acentuou.

Ao abordar a pandemia, a governante moçambicana enumerou as medidas tomadas por Maputo para a combater e pediu a “derrogação temporária de certas disposições do Acordo sobre os Direitos de Propriedade Intelectual Relacionadas com o Comércio, vulgo (TRIPS) para permitir uma resposta mais eficaz à pandemia da Covid-19″.

Ela destacou que as vacinas são um bem essencial e instou a comunidade internacional a apoiar a luta contra a pandemia nos países em desenvolvimento porque o seu impacto desafia a todos a “encontrar mecanismos eficazes de mobilização de recursos financeiros para recuperação económica dos países fortemente afectados pela pandemia”.

Moçambique candidata-se a membro não permanente do Conselho de Segurança da ONU para o mandato 2023-2025.

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.