Radio Calema
InicioCulturaMúsicaSuperstar do R&B: R. Kelly condenado em julgamento por tráfico sexual

Superstar do R&B: R. Kelly condenado em julgamento por tráfico sexual

R. Kelly, o astro do R&B conhecido pelo seu hino “I Believe I Can Fly”, foi condenado nesta segunda-feira, 27 de Setembro, num julgamento de tráfico sexual após décadas evitando a responsabilidade criminal por inúmeras alegações de má conduta com mulheres jovens e crianças.

Um júri de sete homens e cinco mulheres considerou Kelly culpado de extorsão em seu segundo dia de deliberações.

As acusações foram baseadas no argumento de que o séquito de gerentes e assessores que ajudaram o cantor a conhecer meninas – e mantê-las obedientes e caladas – equivalia a um empreendimento criminoso.

Várias acusadoras testemunharam em detalhes chocantes durante o julgamento, alegando que Kelly sujeitou-as a caprichos perversos e sádicos quando eram menores de idade.

Durante anos, o público e a media pareceram mais divertidos do que horrorizados com as alegações de relacionamentos inadequados com menores, começando com o casamento ilegal de Kelly com o fenómeno R&B Aaliyah em 1994, quando ela tinha apenas 15 anos.

Os seus discos e ingressos para shows continuaram a vender. Outros artistas continuaram a gravar as suas canções, mesmo depois de ele ter sido preso em 2002 e acusado de fazer uma gravação de si mesmo abusando sexualmente e urinando numa menina de 14 anos.

A condenação pública generalizada não aconteceu até que uma série de documentários amplamente assistida “Surviving R. Kelly” ajudou a tornar o seu caso um significante da era #MeToo e deu voz a supostas vítimas que se perguntaram se as suas histórias foram anteriormente ignoradas por serem mulheres negras.

No julgamento, várias acusadoras de Kelly testemunharam sem usar os seus nomes reais para proteger a sua privacidade e evitar possível assédio por parte dos fãs do cantor. Os jurados viram vídeos caseiros de Kelly envolvendo-se em actos sexuais que os procuradores disseram não serem consensuais.

A procuradora assistente dos EUA, Maria Cruz Melendez, argumentou que Kelly era um abusador em série que “mantinha o controle sobre essas vítimas usando todos os truques do manual do predador”.

A defesa rotulou as acusadoras de “groupies” e “stalkers”, expressões para meninas que se infiltram em bandas ou músicos e perseguidoras, respectivamente.

O advogado de defesa Deveraux Cannick questionou por que as supostas vítimas mantinham um relacionamento com Kelly se pensavam que estavam sendo exploradas.

Kelly, nascido Robert Sylvester Kelly, está preso sem fiança desde 2019. O julgamento foi adiado pela pandemia de coronavírus e a mudança de última hora de Kelly na sua equipa jurídica.

Quando finalmente começou, a 18 de Agosto, os procuradores pintaram o cantor de 54 anos como um filho homem mimado e maníaco por controle. As suas acusadoras disseram que tinham ordens de chamá-lo de “papá”.

As acusadoras alegaram que também foram obrigadas a assinar contratos de sigilo e foram submetidas a ameaças e punições, como palmadas violentas, se quebrassem o que se chama de “regras de Rob”. Algumas disseram que acreditavam que as fitas de vídeo que ele filmou delas fazendo sexo seriam usadas contra elas se revelassem o que estava a acontecer.

Entre os outros quadros mais preocupantes as testemunhas contaram coisas como: Kelly mantinha uma arma ao seu lado enquanto repreendia uma das mulheres como um prelúdio para forçá-la a sexo oral num estúdio de música de Los Angeles; Kelly transmitiu herpes a várias supostas vítimas sem revelar que tinha uma DST; Kelly coagiu uma adolescente a juntar-se a ele para fazer sexo com uma menina nua que emergiu de debaixo de um ringue de boxe na sua garagem; e Kelly gravando um vídeo vergonhoso de uma suposta vítima mostrando fezes no rosto dela como punição por quebrar as suas regras.

Alguns dos testemunhos mais angustiantes vieram de uma mulher que disse que Kelly se aproveitou dela em 2003, quando ela era estagiária de uma estação de rádio. Ela testemunhou que ele a levou para o seu estúdio de gravação em Chicago, onde ela foi mantida trancada e drogada antes que ele a agredisse sexualmente enquanto ela estava desmaiada.

Ela disse que um dos funcionários de R. Kelly a advertiu para manter a boca fechada sobre o que havia acontecido.

Outro testemunho enfocou o relacionamento de Kelly com Aaliyah. Uma das testemunhas finais descreveu tê-lo visto abusando sexualmente dela por volta de 1993, quando Aaliyah tinha apenas 13 ou 14 anos.

Os jurados também ouviram depoimentos sobre um esquema de casamento fraudulento planeado para proteger Kelly depois que ele temeu ter engravidado Aaliyah. Testemunhas disseram que se casaram com trajes de corrida combinando, usando uma licença que listava falsamente a idade de Aaliyah como 18; ele tinha 27 anos na época.

O caso de Nova Iorque é apenas parte do perigo legal que o cantor enfrenta. Ele também se declarou inocente de acusações relacionadas a sexo em Illinois e Minnesota. As datas de julgamento nesses casos ainda não foram definidas.

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.