Radio Calema
InicioMaisAmbienteRota de colisão entre Sociedade Mineira de Catoca e República Democrática do...

Rota de colisão entre Sociedade Mineira de Catoca e República Democrática do Congo

Empresa diz não ter havido poluição perigosa do rio Lova, o que contradiz declarações do Governo da RDC que anunciou mortes e quer indemnização.

A República Democrática do Congo (RDC) e a companhia de diamantes angolana Sociedade Mineira de Catoca estão numa rota de colisão sobre o que se passou na mina de Catoca com um derrame de resíduos que poluíu rios.

A Sociedade Mineira de Catoca desmentiu que o vazamento de resíduos na sua mina de diamantes constitua risco para a vida para as populações na margem dos rios afectados pelo incidente.

Este posicionamento contradiz declarações do Governo da RDC que afirmou que pelo menos 12 pessoas morreram e mais de 4.400 adoeceram devido ao incidente.

Num comunicado, a Sociedade Mineira de Catoca disse que “está descartada a presença de metais pesados na água dos rios afectados pelo fuga da polpa da bacia de rejeitados, em consequência do incidente registado no seu sistema de drenagem de rejeitados”.

A companhia acrescentou que “a bacia de rejeitados contém apenas misturas de rochas naturais, como areia e argila, e a composição da matéria corresponde aproximadamente aos fluxos de lama na estação chuvosa e não contém componentes químicos externos.”

Isto, acrescentou a companhia, implica que tal situação “não represente risco para a vida para as populações afectadas”.

Antes, a ministra do Ambiente da RDC, Eve Bazaiba, disse que o seu Governo vai exigir uma indemnização aos donos da mina de diamantes de Catoca, na sequência da fuga de material residual.

A fuga do material para o rio Lova deu-se devido a uma ruptura numa conduta que, segundo a Sociedade Mineira da Catoca, está gora completament estancada.

O rio Lova é um afluente do rio rio Tshicapa que, por seu turno, é un afluente do Rio Congo.

A agência de notícias Reuters disse ter revisto imagens de satélite que indicam que a 25 de Julho o rio “ficou vermelho”.

O incidente deu-se nesse dia, mas só veio a público depois de investigadores congoleses terem revelado a ocorrência do que chamaram de “uma catástrofe ambiental sem precedentes” em finais de Agosto, quando morreram enormes quantidades de peixe e mesmo hipópotamos.

A Sociedade Mineira da Catoca é propriedade da companhia angolana Endiama e a companhia russa Alrosa.

O Governo angolano não fez até agora qualquer declaração sobre o assunto.

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.