Radio Calema
InicioOil & GasTerminal Oceânico da Barra do Dande: Empreitada com Odebrecht formalizada - Dar...

Terminal Oceânico da Barra do Dande: Empreitada com Odebrecht formalizada – Dar Angola vai fiscalizar as obras, SOAPRO é responsável pelos estudos de impacto ambiental do projecto

A Sonangol anunciou a assinatura de três contratos relativos à construção do Terminal Oceânico da Barra do Dande: Um dos contratos foi feito com a OECI – Odebrecht Engenharia e Construção Internacional, o segundo foi assinado com a Dar e o terceiro envolve a SOAPRO.

A primeira fase das obras entregues à OECI – Odebrecht Engenharia e Construção Internacional, que já está a construir a refinaria de Cabinda a convite da Gemcorp (ler aqui (https://novojornal.co.ao/economia/interior/odebrecht-regressa-em-forca-a-convite-da-gemcorp-para-erguerrefinaria-101274.html)), é previsto terminar em finais de 2022.

O terminal terá uma capacidade de armazenamento de combustíveis de 580.000 metros cúbicos de produtos refinados, informa a Sonangol no comunicado, acrescentando que esta capacidade, associada à já existente, “irá suprir as necessidades do país, pois vai igualmente tornar o processo de recepção e distribuição de produtos refinados mais seguro, eficiente e menos dispendioso”.

A Dar Angola foi contratada para a fiscalização da empreitada, enquanto à SOAPRO foi atribuída a realização dos estudos de impacto ambiental do projecto. Esta obra foi entregue obra à Odebrecht pelo valor global de 547,8 milhões de dólares depois de a empresa brasileira ter vencido um concurso lançado pela Sonangol a 28 de Janeiro.

Antes, o processo foi marcado por várias peripécias como a revogação de um decreto do tempo de José Eduardo dos Santos que entregava a obra à empresa Atlantic Ventures, da sua filha Isabel, por 1.5 mil milhões, e da negociação, por ajuste directo, com Al-Maktoum por cerca de 700 milhões – memorando “rasgado”, sem que, até hoje, se conheçam as razões.

O concurso lançado pela Sonangol, aconteceu pouco mais de uma semana após o falhanço nas negociações com o xeque dos Emirados Árabes Unidos, Ahmed Dalmook Al-Maktoum, que estava na calha para dar continuidade ao projecto que já tinha estado nas mãos da Atlantic Ventures de Isabel dos Santos, que viu o Presidente João Lourenço revogar o decreto que lho entregava por 1,5 mil milhões USD.

A obra foi adjudicada no dia 2 deste mês depois de “um amplo processo de “due diligence”, conduzido pela empresa norte-americana Trace, e de “compliance” nas empresas que constaram da lista das três concorrentes habilitadas, tendo a escolha recaído na OECI, que apresentou a melhor proposta técnica e o melhor preço”, informava a Sonangol em comunicado a 16 de Agosto.

Esta empreitada inclui ainda a conclusão do parque de armazenamento de produtos refinados e construção da doca de atracação de navios. A petrolífera nacional tem defendido que o Terminal Oceânico da Barra do Dande é um projecto estratégico nacional, visa aumentar a capacidade de armazenamento, o aumento da capacidade de armazenamento em terra, “dotando o país de infra-estruturas de grande porte capazes de assegurar uma robusta reserva estratégica – em gasolina, gasóleo e LPG – e de segurança nacional, e melhorar a logística de distribuição de produtos refinados para o interior do país”.

O Terminal Oceânico da Barra do Dande será a principal plataforma para assegurar o armazenamento e recepção de produtos derivados de petróleo para atender as Reservas Estratégicas, de Segurança e Operacionais do país, bem como promover um importante “hub” de armazenamento e comercialização de combustíveis na região.

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.