Radio Calema
InicioMundo LusófonoMoçambiqueRuanda - O polícia do continente: De Moçambique ao CAR. As...

Ruanda – O polícia do continente: De Moçambique ao CAR. As razões para a implantação total de Kigali

As imagens rapidamente circularam nas redes sociais. Em uniformes camuflados adornados com a bandeira do Ruanda, membros da Força de Defesa do Ruanda (RDF) destacados para Moçambique posaram orgulhosamente na costa de Mocímboa da Praia com alguns dos seus homólogos do exército moçambicano.

Esta cidade portuária no nordeste de Moçambique, que tem uma população de 127.000 habitantes, tornou-se uma âncora estratégica para a insurgência jihadista na província de Cabo Delgado.

Num dos primeiros atentados do Al-Shaabab no país, a 5 de outubro de 2017, Mocímboa da Praia foi alvo e depois ocupada durante 48 horas. Os jihadistas não tomaram posse dela até 12 de agosto de 2020.

“Um sucesso importante para o exército ruandês”

Moçambique: Porque ficaram os ‘especialistas’ surpreendidos com a ocupação de Palma?

Os rebeldes tomaram a cidade de Palma, na costa e extremo norte de Moçambique, a 24 de Março, e mantiveram-na por 10 dias. A mídia, surpresa afirmou que era uma escalada de guerra apoiada pelo Estado Islâmico – apesar de o EI ter cortado ligações com os rebeldes de Moçambique em meados de 2020.

Vista aérea de Maputo, a capital de Moçambique (Foto: D.R.)

Neste mergulho profundo às raízes históricas da crise, o principal analista de Moçambique Joseph Hanlon desvenda o modus operandi dos rebeldes em Cabo Delgado. Enquanto a África do Sul envia tropas para Palma, ele pergunta: corremos o risco de criar um ‘Afeganistão’ fora de Moçambique, contando com informações imprecisas e um manual de contra-revolução desactualizado?

Palma era uma pacata cidade litorânea moçambicana até que o gás foi descoberto. Dois anos atrás, ela se tornou uma cidade próspera de empreiteiros para o projecto de gás Total na vizinha Península de Afungi.

Mocímboa da Praia, uma pequena cidade a 70 quilómetros ao sul e o porto para o litoral norte, era muito mais importante. Uma onda rebelde de inspiração islâmica começou aqui em 2017 e se espalhou rapidamente. Nove distritos estão agora afectados, numa área de 250 quilómetros norte-sul, ao longo da costa e até 100 kms no interior.

Como chegar aqui?

Esta zona é dominada pelos Mwani, que são muçulmanos com ligações históricas a Zanzibar que remontam a séculos. A luta pela independência da Frelimo (1964-74) foi iniciada pelos Makondes no planalto de Mueda, no interior e acima da zona costeira de Mwani. Os primeiros tiros foram disparados em Chai, apenas 65 quilómetros a sudoeste de Mocímboa da Praia.

Muitos Mwani aderiram à luta pela independência e vários líderes muçulmanos foram executados pelos colonizadores portugueses.

Os Mwani argumentaram que os Makonde assumiram o controlo da Frelimo e os marginalizaram. Cabo Delgado tornou-se a província esquecida, uma das mais pobres, mais desiguais e menos educadas. Os jovens que não tinham futuro tornaram-se inquietos.

 

 

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.