Radio Calema
InicioMundoÁfricaSudão dá o primeiro passo para ingressar em tribunal internacional

Sudão dá o primeiro passo para ingressar em tribunal internacional

A decisão do Gabinete de aderir ao Estatuto de Roma é um passo em frente no longamente esperado julgamento de suspeitos procurados por crimes de guerra e genocídio no conflito de Darfur, incluindo o ex-presidente Omar al-Bashir.

O projeto de lei, no entanto, ainda precisa ser ratificado por uma reunião conjunta do Conselho Soberano e do Gabinete do Sudão. Juntos, eles servem como um parlamento provisório. O Gabinete não ofereceu um prazo para a ratificação.

O Sudão é liderado por um governo conjunto militar-civil desde que um levante popular levou à derrubada de al-Bashir pelos militares em abril de 2019. Esse governo de transição, que prometeu reformas democráticas, disse anteriormente que suspeitos de crimes de guerra, incluindo al-Bashir, seriam julgado perante o TPI, mas o local do julgamento é assunto para negociações com o tribunal de Haia.

Samantha Power, que escreveu um livro vencedor do Prêmio Pulitzer sobre genocídio e agora lidera a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional, saudou a decisão como uma “GRANDE notícia” no Twitter.

“Uma revolução pela“ Liberdade, Paz e Justiça ”deu um passo importante para acabar com a impunidade”, escreveu Power, que está visitando o Sudão. Ela estava se referindo à revolta que levou à derrubada de al-Bashir.

A decisão de terça-feira foi tomada dois meses depois de uma visita do então promotor Fatou Bensouda, do Tribunal Penal Internacional, a Cartum e Darfur, durante a qual ela pediu às autoridades de transição do país que entregassem os suspeitos procurados por crimes de guerra e genocídio no conflito de Darfur.

O conflito de Darfur eclodiu quando rebeldes da comunidade étnica central e subsaariana do território iniciaram uma insurgência em 2003, reclamando da opressão do governo de domínio árabe em Cartum.

O governo de Al-Bashir respondeu com uma campanha de bombardeios aéreos e ataques de milícias conhecidas como janjaweed, acusadas de assassinatos em massa e estupros. Até 300.000 pessoas foram mortas e 2,7 milhões foram expulsas de suas casas.

O tribunal acusou Al-Bashir de crimes de guerra e genocídio por supostamente o mentor da campanha de ataques em Darfur. Promotores sudaneses no ano passado começaram sua própria investigação sobre o conflito de Darfur.

Também foram indiciados pelo tribunal duas outras figuras importantes do governo de al-Bashir: Abdel-Rahim Muhammad Hussein, ministro do Interior e da Defesa durante grande parte do conflito, e Ahmed Haroun, um chefe de segurança sênior na época e mais tarde líder de al- O partido governante de Bashir. Tanto Hussein quanto Haroun estão presos em Cartum desde que os militares sudaneses, sob pressão dos manifestantes, expulsaram al-Bashir em abril de 2019.

O tribunal também indiciou o líder rebelde Abdulla Banda, cujo paradeiro é desconhecido, e o líder janjaweed Ali Kushayb, que foi acusado em maio de crimes contra a humanidade e crimes de guerra.

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.