InicioMundo LusófonoGuiné-BissauAumentam pedidos para demissão do ministro guineense do Interior e Presidente defende...

Aumentam pedidos para demissão do ministro guineense do Interior e Presidente defende a polícia

Úmaro Sissoco Embaló afirma que “pode haver exagero da polícia, mas o papel da polícia é manter a ordem e ao mesmo tempo proteger a população”

Algumas organizações da sociedade civil e certos actores políticos na Guiné-Bissau continuam a defender a demissão do ministro do Interior, Botché Candé.

As cargas policiais sobre os cidadãos nos últimos tempos estão na base dos protestos contra o titular da pasta do Interior.

O Presidente da República lembrou que a demissão de Candé depende do primeiro-ministro, mas defendeu o papel da polícia.

A primeira organização a levantar voz contra o ministro do Interior é a Liga Guineense dos Direitos Humanos, que, em nota à imprensa, acusa Candé de “incapacidade em garantir a segurança da população e da interferência arbitrária na esfera privada dos cidadãos”.

Também, no passado fim-de-semana, o Partido de Unidade Nacional exigiu ao Presidente da República a demissão de Botché Candé por haver“um disfuncionamento profundo na estrutura das forças de ordem”.

“Desde a tomada de posse deste Governo, assistimos ao recrutamento desenfreado de agentes de forças de ordem, que não são formados depois do recrutamento, e que são remetidos a instrumentos de violência do Estado. Claramente esta força não está preparada para utilizar devidamente os meios à sua disposição e o resultado está patente”, sustentou aquele partido.

A actuação dos agentes da policia contra os habitantes em Cossé e no Cuntubu, ecomo a tortura de jovens que estavam a reclamar a falta de luz elétrica, em Bafatá, no leste do país, aumentaram a contestação ao actual ministro do Interior, um dos mais antigos membros do Governo e líder do segundo partido no Parlamento.

Confrontado com esses pedidos, o Presidente da República, Umaro Sissoco Embaló, lembra haver a separação dos poderes, ou seja, uma eventual demissão do Ministro do Interior “é da competência do primeiro-ministro”.

Não obstante ter admitido “excessos”, nos últimos tempos, por parte da polícia, o Presidente guineense diz que não se pode admitir uma cultura de animais, com civis a confrontar os polícias:

“Na Guiné-Bissau queremos ter o quê? Cultura de animais? Corre e briga com a polícia. Isso não. Pode haver um exagero da polícia, mas o papel da polícia é manter a ordem e ao mesmo tempo proteger a população. E se exagerar há mecanismos de punição”, sustentou Embaló.

A VOA contactou o Gabinete de Imprensa do Ministro do Interior que informou que Botché Candé encontrava-se numa reunião do Conselho de Defesa, pelo que não podia prestar, por enquanto, qualquer declaração sobre o assunto.

FonteVoA

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.