InicioMundoÁfricaRDC - Félix Tshisekedi: “Tenho uma visão para o meu país, quero...

RDC – Félix Tshisekedi: “Tenho uma visão para o meu país, quero concretizá-la com um segundo mandato”

A suas relações com Joseph Kabila, o caso Vital Kamerhe, o futuro da União Sagrada, as eleições presidenciais de 2023 … Agora, livre do seu parceiro de coligação, o Chefe de Estado congolês encontra-se na linha de frente. Em visita a Goma, no Leste, respondeu às perguntas de JA em exclusivo.

Félix Tshisekedi agora é um homem com pressa. Seis meses após o anúncio formal do seu rompimento com Joseph Kabila, o Chefe de Estado tem agora carta branca, com um governo de 57 membros investidos no Parlamento por uma maioria esmagadora (410 deputados dos 412 presentes), bem como o controle da Assembleia e do Senado.

Em vez da equipe insustentável formada por Cap pour le changer (Cach) e a Frente Comum do Congo (FCC), uma megacoligação com a denominação lírica de União Sagrada, um improvável coquetel formado pelo seu próprio partido, a União pela Democracia e Progresso Social (UDPS), primeiros aliados como a União para a Nação Congolesa (UNC) de  Vital Kamerhe, desertores da FCC, mas também formações de dois pesos pesados ​​da oposição, Ensemble pour la République de Moïse Katumbi e o Mouvement de liberation du Congo (MLC) de Jean-Pierre Bemba.

Grandes expectativas

Uma reviravolta inimaginável há apenas alguns meses, numa época em que a maioria dos observadores explicava que Félix Tshisekedi já se podia considerar feliz por ter sido eleito e que estava condenado a contentar-se com um cargo honorário de Chefe de Estado com a aparição da Rainha de Inglaterra ou fantoche de Joseph Kabila. Pacientemente, discretamente, “Fatshi”, como seus apoiadores o chamam, teceu a sua teia, colocou os seus homens, especialmente dentro do exército e dos serviços de inteligência, tomando cuidado para nunca colidir de frente com seu parceiro e, deixando os seus oponentes a subestimarem-no. Sempre tomando cuidado com a água do sono …

Por outro lado, o Chefe de Estado está agora na linha da frente e, dois anos e meio após o fim do seu mandato, deve ser o único responsável pelos seus sucessos e fracassos. Além do desafio de dominar uma maioria tão heterogénea e volátil, há muitas armadilhas que ele terá de superar.

A começar pelo financiamento do ambicioso programa apresentado aos deputados pelo seu Primeiro-Ministro, Sama Lukonde Kyenge, durante o seu discurso de política geral, cujo custo é estimado em 12 mil milhões de dólares por ano (9,9 mil milhões de euros), ou 36 mil milhões a mobilizar até 2023. Ou a situação de segurança, em particular no Leste do Congo, que ele se comprometeu a resolver durante a viagem a Kivu do Norte e Ituri, duas províncias onde foi declarado o estado de sítio no início de Maio.

Félix Tshisekedi, que acaba de completar 58 anos, recebeu-nos no dia 20 de Junho, pela manhã, na sua residência em Goma, nas margens do Lago Kivu. Uma entrevista de pouco mais de uma hora, durante a qual não se esquivou a nenhum assunto, formalizou a sua candidatura às eleições presidenciais de 2023 e fez questão de acertar muitos relógios, nomeadamente sobre Vital Kamerhe ou Joseph Kabila. Como era de se esperar, “Fatshi” não tem um minuto a perder.

Jeune Afrique: Em 6 de Dezembro, ao final das consultas políticas que lançou, o senhor anunciou o fim da coligação FCC-Cach [Frente Comum pelo Congo-Cap for Change], que ligava a plataforma do seu antecessor, Joseph Kabila, Felicidades. Quais são os motivos dessa ruptura? 

Félix Tshisekedi: Havia simplesmente muita diferença de opinião entre nós. Discordámos em vários assuntos que considero fundamentais, como a independência do poder judicial ou a transparência – a meu ver -, na gestão dos assuntos de Estado. Lutamos por esses ideais no passado e era inconcebível que desistíssemos deles.

JOSEPH KABILA NÃO É MEU INIMIGO

Quando vi que os actos que estava a realizar reformar o Judiciário,  um dos pilares do Estado de Direito, eram objecto de todas as manobras possíveis e que alguns buscavam arruinar os nossos esforços, entendi que não tínhamos nada em comum. Tudo o que dissémos um ao outro no início, para defender o mesmo programa e a mesma visão, foi no final apenas uma fachada.

Você manteve relações com Joseph Kabila?

Claro. Até recentemente nos ligamos para os nossos respectivos aniversários: nós os dois nascemos em Junho, ele no dia 4 e eu no dia 13. Joseph Kabila não é meu inimigo.Mas, como num casal, quando não se está mais de acordo sobre os princípios que fundamentam a união, é preciso separar-se. Só isso.

Você está agora à frente de outra coaligação, a União Sagrada. Qual é a estratégia dessa grande maioria, que parece no mínimo um time heterogéneo?

A União Sagrada não é uma nova formação política ou uma nova plataforma. É uma união de boas intenções, o que pode explicar a heterogeneidade dos seus componentes. Convidei a classe política a juntar-se a mim nesta união, com base nos princípios que defendo: a segurança das populações, especialmente no Oriente; melhorando a vida quotidiana dos congoleses; a luta contra a corrupção, etc. A Sagrada União foi criada para nos permitir levar a cabo as reformas esperadas até ao final do meu mandato. De resto, vamos aconselhar na altura das eleições [marcadas para 2023]. Só então discutiremos as possíveis coaligações, bem como os programas e ambições de uma ou de outra. Hoje é  hora de agir, não de cálculos políticos.

“500 jipes” de Tshisekedi para os deputados não passam

A polémica em torno dos 500 veículos oferecidos aos deputados para garantir a sua lealdade à União Sagrada de Félix Tshisekedi continua a jorrar muita tinta em Kinshasa.

“O caso” foi revelado a 18 de Junho pela Jeune Afrique. Para apaziguar as tensões emergentes na Sagrada União e para garantir a lealdade dos deputados, Christophe Mboso N’kodia Pwanga, o presidente da Assembleia Nacional, reuniu a nova maioria constituída para lhes garantir que Félix Tshisekedi “cumprirá as suas promessas”.

E entre eles, a próxima entrega de 500 veículos: “250 jipes já lá estão (…). No dia 12 de Julho, os outros 250 jipes estarão lá. No final de Julho, serão entregues a todos os deputados, inclusive da oposição ”, garantiu Christophe Mboso, em áudio que vazou posteriormente nas redes sociais.

Sem surpresa, a polémica foi até a – suposta – oferta. Joseph Lembi Libula, o relator da Assembleia Nacional, tem procurado apagar o fogo dos comentários, falando em “empréstimos” e não em “presentes” e insistindo que este gesto “contribui para o benefício social dos deputados e decorre do compromisso feito pelo gabinete da Assembleia Nacional, para dar um elevado significado ao mandato representativo dos parlamentares ”. Mas a sua intervenção acabou apenas adicionando lenha ao fogo. Do lado da sociedade civil e da oposição, em que os deputados manifestam a sua recusa em aceitar o suposto “presente” do automóvel, obviamente não deixamos de gritar escândalo e exigir a imediata abertura de inquérito.

 

 

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.