InicioMundoÁfricaCamarões - Julgamento de Mebe Ngo'o: Paul Biya, os biliões e o...

Camarões – Julgamento de Mebe Ngo’o: Paul Biya, os biliões e o segredo de defesa

O julgamento de Edgar Alain Mebe Ngo’o e dos seus co-réus perante o tribunal penal especial é uma oportunidade para o ex-Ministro da Defesa falar publicamente sobre as muitas acusações feitas contra ele.

O homem ao leme exala uma certa facilidade. Ele educadamente recusa o convite do juiz para pleitear sentado, e não hesita em se engajar em longos vôos líricos que ele apenas interrompe para consultar os seus advogados ou olhar as notas que ele segura firmemente nas suas mãos.

No dia 24 de Junho, no tribunal do Tribunal Especial Criminal (TCS) de Yaoundé, Edgar Alain Mebe Ngo’o aparece com um dos seus habituais trajes sob medida, o que quase o faria esquecer sua condição de prisioneiro, assim como a mídia turbulência. -judicial em que está enredado há quase quatro anos.

Diante dos juízes, o ex-ministro da Defesa busca desacreditar a longa lista de documentos apresentados pelo Procurador-Geral da República em apoio à acusação contra ele e seus quatro co-réus. Encontramos ali desordenadamente laudo da Agência Nacional de Investigações Financeiras (Anif), notas de encomenda passadas pelo Ministério da Defesa quando ele era o chefe, facturas, cartas …

Tantos elementos que supostamente provavam sua culpa nos casos de desfalque e branqueamento de capitais de mais de 20 mil milhões de F CFA (cerca de 30,5 milhões de euros), o incumprimento do código de contratos públicos tendo perdido cerca de 196,8 mil milhões de francos CFA para o Estado ou a tomada ilegal de juros.

Camarões: Mebe Ngo’o, o homem que queria ser presidente

Antecedentes. Março de 2019

O ex-ministro da Defesa Edgar Alain Mebe Ngo’o foi preso no início de Março. Quais são as verdadeiras razões para a desgraça daquele que apareceu como o herdeiro aparente de Paul Biya?

Desta vez, ele não voltou para casa. A 9 de Março, a esperança louca a que a família de Edgar Alain Mebe Ngo’o ainda se apegava se desvaneceu quando a nave decolou levando-o para a prisão de Kondengui. Por vários dias, o ex-ministro esteve na mira dos investigadores da Operação Sparrowhawk . Ouvido no Tribunal Especial Criminal (TCS), acusado de desvio de dinheiro público e corrupção, acabou preso. Um desfecho previsível para esta novela feita nos Camarões que mistura tragédia familiar, thriller financeiro e redes franco-africanas.

Até ao fim, Mebe Ngo’o , de 62 anos, esperava que Paul Biya apitasse o fim dos seus problemas jurídicos. Nos últimos meses, enviou duas cartas ao Chefe de Estado, das quais foi Director da Casa Civil (de 1997 a 2004), então Delegado Geral para a Segurança Nacional (2004-2009), Ministro da Defesa (de 2009 a 2015) e Transporte (2015 a 2018).

Suspeita de peculato e sobrefacturação

Étoudi não respondeu, mas no dia 14 de Fevereiro, quando fez o primeiro teste, ainda quer acreditar. Imperturbável, ele apareceu diante dos investigadores com um elegante terno escuro trespassado, gravata de bolinhas, Legião de Honra presa ao peito.

Os magistrados interrogam- no, em particular, por suspeitas de desfalque e superfaturamento nos contratos de compra assinados com a empresa francesa de material militar MagForce, quando esteve em La Défense. Após a audiência, enquanto ele sai no seu sedan parecendo confiante, todos em Yaoundé acreditam que ele estava fora de perigo. Agora sabemos que não foi esse o caso.

Convocado novamente a 5 de Março, Mebe Ngo’o é desta vez interrogado na presença de seu co-acusado. Porque para compreender este caso que derrubou um dos mais poderosos dignitários do regime, que durante muito tempo sonhou ser o sucessor de Biya e cuja boa sorte alimentou as suas ambições, devemos interessar-nos por vários outros dos seus protagonistas.

Protagonistas da galáxia Mebe Ngo’o

O primeiro é Robert Franchitti, chefe da MagForce, hoje com 68 anos. A Córsega é uma figura conhecida na Françafrique. Tem entradas tanto em Bamako como em Yaoundé. A sua empresa conquistou vários mercados em África e ele próprio sempre cuidou dos seus intermediários. Ele conhece bem Mebe Ngo’o e sua família, como evidenciado pela transcrição de escutas telefónicas feitas em 2014 por policiais do Escritório Central para a Repressão de Crimes Financeiros Maiores (OCRGDF) e publicado pelo semanário francês Le Point em 2017: o dois homens conversam e discutem a guerra contra Boko Haram e o casal Holland-Gayet.

Outro personagem: Ghislain Victor Mboutou Ellé, 50 anos. Este tenente-coronel do exército camaronês é o homem-chave da galáxia Mebe Ngo’o. O seu gabinete serviu de antecâmara ao do Ministro da Defesa. Vice-chefe do secretariado militar, ele então teve a vantagem nos mercados do exército.

Principal contacto com a MagForce, a cada ano supervisiona o fornecimento de uniformes por cerca de 10 milhões de euros. O prestador de serviços francês fornece o equipamento contra pagamentos efetuados a partir das contas extra-orçamentais da National Hydrocarbons Company (SNH) ou por transferência direta do Tesouro dos Camarões. Às vezes, o dinheiro vai para contas de empresas offshore.

MagForce na mira da justiça francesa

O lucrativo caso continuou até 2014, quando a justiça francesa decapitou a rede invadindo as instalações da empresa localizada em Aubervilliers, ao norte de Paris, e acusando vários deles por “suborno de funcionários públicos estrangeiros”. Seus líderes, incluindo Robert Franchitti.

Para Mboutou, os problemas virão mais tarde. A 6 de Abril de 2016, quando Mebe Ngo’o já tinha sido transferido para os Transportes e ele próprio se reconvertido na diplomacia, tornando-se adido militar na embaixada dos Camarões em Rabat, foi detido no Hôtel Majestic, em Paris, por polícias do OCRGDF.

É preciso dizer que o homem nunca sonhou em ser discreto e que, como seu mentor, tem gosto pelas coisas belas. Segundo a organização Tracfin, ele gastou 57.621 euros na Louis Vuitton entre 2013 e 2016.

Os detectives franceses, que o seguiram durante anos nas suas inúmeras viagens à França, suspeitam que ele tenha recuperado o dinheiro por meio de vários intermediários da MagForce. Eles puderam comprovar que ele havia recebido pelo menos 704.000 euros.

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.