InicioAngolaPolíticaSuspeitas de corrupção: Empresário Minoru Dondo garante que não responde em nenhum...

Suspeitas de corrupção: Empresário Minoru Dondo garante que não responde em nenhum processo na justiça

O empresário Valdomiro Minoru Dondo garantiu que não responde em nenhum processo na justiça angolana e internacional sobre suspeitas corrupção. O empresário, ligado a Macon Transportes, a maior operadora de transportes em Angola, respondia a acusações feitas pela Deputada da UNITA, Mihaela Webba, na sua página do Facebook, a quem, garante, já abriu o competente processo judicial na Procuradoria-Geral da República de Angola.

Por: Diniz Kapapelo

Segundo apurou o Portal de Angola, Valdomiro Minoru Dondo fez uma nota, que posteriormente foi enviada à imprensa, diante das recentes notícias veiculadas envolvendo o seu nome, do qual achou prudente levar ao conhecimento de todos sobre os factos mencionados.

Em 19 de Junho de 2021, a Deputada do partido UNITA Mihaela Webba divulgou através da sua conta pessoal mantida junto ao Facebook, a reprodução da matéria intitulada “Dono da MACON é alvo de operação que investiga desvio de USD 45 milhões do BNA”, que associa o meu nome à pratica de crimes.

Em 19 de Junho de 2021, a Deputada do partido UNITA Mihaela Webba divulgou através da sua conta pessoal mantida junto ao Facebook, a reprodução da matéria intitulada “Dono da MACON é alvo de operação que investiga desvio de USD 45 milhões do BNA”, que associa o meu nome à pratica de crimes.
(DR)

O empresário entende que a referida Deputada foi mal informada acerca da actualização dos factos apresentados, em especial por se tratar de uma reprodução idêntica de uma matéria publicada em 15 de Junho de 2017, ou seja, mais de quatro (4) anos depois, no jornal brasileiro “O Globo”, como se faz prova abaixo:

“Ademais, diversas das acusações tecidas na reportagem acima referida foram publicadas em matéria jornalística de Dezembro de 2011 (há quase 10 anos atrás), já amplamente investigadas, tanto em Angola, como no Brasil, tendo as mesmas sido arquivadas, visto que restou provado que não pratiquei qualquer ilícito criminal”, explica o documento ao qual este portal teve acesso.

Minoru Dondo disse que buscou-se identificar a citação da fonte da reportagem originaria bem como alguma menção ao desdobramento do tema ali veiculado, inexistindo qualquer informação nesse sentido, a ter possivelmente, induzido os leitores ao erro, o que temos certeza ter ocorrido de forma involuntária, por parte de V. Ex.cia, fazendo-os acreditar se tratar de uma matéria actual.

Considerando que a matéria foi partilhada 569 (quinhentas e sessenta e nove) vezes, até o dia 21 de Junho de 2021, sublinha, a partir da página da Deputada da UNITA mantida junto do Facebook, e considerando a grande notoriedade de Mihaela Webba, urgiu a necessidade do visado promover os esclarecimentos que se seguem.

“A matéria em questão menciona que fui alvo da Operação Le Coq, realizada pela Polícia Federal brasileira, que, a pedido da justiça francesa, promoveu condução coercitiva de pessoas a si relacionadas, busca e apreensão de bens, para fins de investigação, pelo Ministério Público Federal brasileiro, do uso de intermediários em contratos entre o BNA e a empresa francesa Oberthur, contratada para a produção de papel moeda, do qual teria resultado o pagamento de USD 45 milhões em favor deste Notificante e outros, a título de comissão”, sustentou.

O empresário, ligado a Macon Transportes, a maior operadora de transportes em Angola, respondia a acusações feitas pela Deputada da UNITA, Mihaela Webba, na sua página do Facebook, a quem, garante, já abriu o competente processo judicial na Procuradoria-Geral da República de Angola.
(DR)

A publicação da matéria antiga e totalmente desactualizada, sem qualquer referência aos factos actuais, acrescenta o empresário, além de causar confusão ao leitor desinformado, resulta na lesão à imagem da sua pessoa, ao associa-lo a condutas que podem ser classificadas como crime, mesmo achando-se o tema esclarecido perante o sistema judiciário.

Importante ainda mencionar que a busca e apreensão ocorrida no Brasil, objecto da reportagem ora em referência, em cooperação ao Sistema Judiciário francês, veiculado através da matéria, foi declarado, pela mais alta corte brasileira, como nula de pleno direito, com decisão transitada em julgado (ou seja, não passível de qualquer recurso), o que já foi esclarecido nas esferas competentes.

“A reprodução da matéria tem, portanto, o único intuito de lesar a minha imagem, o que afronta a lei de imprensa e pode configurar crime, o que já foi submetido à apreciação da Procuradoria-Geral da República, uma vez que não é a primeira ocasião em que se verifica essa reprodução sistemática de matéria lesivas a minha imagem e reputação”.

Através de carta protocolada junto ao Gabinete da Sra. Deputada, prestou-se igualmente, os esclarecimentos que constam dessa comunicação, solicitando-se ainda, que a mesma, promova a publicação dos mencionados esclarecimentos, para que assim, entregue aos leitores uma informação verídica e completa.

Em gesto de conclusão, Valdomiro Minoru Dondo garante: “Não há nada que desabone a minha conduta, inexistindo qualquer decisão judicial desfavorável ou que me atribua condutas imorais ou ilegais, e nem qualquer investigação em curso”.

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.