InicioMundoEuropaGoverno de Sanchez decide agraciar nove independentistas catalães

Governo de Sanchez decide agraciar nove independentistas catalães

O governo de Espanha, liderado por Pedro Sanchéz ,decidiu agraciar os separatistas catalães que estavam detidos desde 2017 após um movimento que fracassou na sua tentativa para a obter a independência da Catalunha. A medida divide a sociedade espanhola, mas Sanchèz considerou que ela é necessária para restabelecer a concórdia no país.

Segundo os analistas, a graça concedida aos nove independentistas catalães, que estavam presos desde a abortada tentativa de secessão da Catalunha em 2017, é uma aposta do governo espanhol para tentar apaziguar as tensões latentes na referida região espanhola.

Contudo, a libertação dos nove catalães, não significa a solução para a crise do separatismo que prevalece na Catalunha.

O perdão anunciado a 21 de Junho de 2021 pelo Primeiro-ministro Pedro Sanchéz foi, na terça-feira 22 de Junho, aprovado oficialmente pelo governo do Reino de Espanha, durante um Conselho de ministros.

Em declarações aos media, Sanchéz realçou que a libertação dos independentistas vai contribuir para um exercício apaziguado da democracia na Espanha.

O professor de ciências políticas da Universidade Carlos III de Madrid, Lluís Orriols, considera que o perdão aos nove catalães vai permitir uma negociação mais flexível entre o governo central de Madrid e o seu homólogo regional da Catalunha.

Todavia, Orriols não pensa que o diálogo entre as duas entidades desembocará num acordo sobre a espinhosa questão catalã no seio da Espanha, onde os regionalismos têm sido fontes de conflitos políticos e institucionais.

Os nove separatistas agraciados pelo governo de Espanha tinham sido condenados à penas de 9 a 13 anos de prisão.

Eles estiveram directamente envolvidos no movimento separatista que em Outubro de 2017 organizou um referendo sobre a independência da Catalunha, não obstante a proibição do governo central de Madrid.

Na época, o líder do governo regional catalão, Carles Puigdemont, decidiu fugir para o estrangeiro, enquanto outros separatistas foram detidos.Puigdemont reside desde então na Bélgica.

Depois da libertação dos nove políticos catalães, o Primeiro-ministro Pedro Sanchéz deveria reatar negociações sobre a questão da Catalunha com o líder regional, Pere Aragones, do partido pró-independência ERC (Esquerda Republicana da Catalunha).

Aragones é tido como mais moderado, em relação ao seu antecessor Quim Torra do radical Jx Catalunha( Unidos pela Catalunha).

FonteRFI

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.