InicioMundoÁfricaCobre com Fundo? Zâmbia: Ainda é muito cedo para os investidores voltarem...

Cobre com Fundo? Zâmbia: Ainda é muito cedo para os investidores voltarem a apostar

Sete meses depois da Zâmbia ter deixado de pagar US $ 3 biliões em dívidas de euro-obrigações, os investidores ocidentais voltaram a depositar confiança no país. 

As apostas em eurobónus zambianos levaram os preços de volta aos níveis pré-pandémicos e os parceiros internacionais como o Bank of Nevis compraram participações no sector bancário do país.

A agência de classificação Fitch elevou a dívida de longo prazo em moeda local do país em Abril, atraindo alguns investidores estrangeiros para retornar aos leilões de Letras do Tesouro. É possível pintar um cenário positivo de curto prazo.

O cobre, principal produto de exportação da Zâmbia, está a ser comercializado a níveis recordes, aumentando as receitas do governo. Os planos para uma emissão global de Direitos Especiais de Saque do FMI prometem dobrar as reservas de moeda estrangeira da Zâmbia durante a noite. O kwacha – que perdeu metade de seu valor desde a pandemia de Covid-19 – pode finalmente estabilizar-se e a inflacção pode diminuir assim que as ofertas pré-eleitorais terminarem após o pleito eleitoral de 12 de Agosto.

Mas imaginar que a Zâmbia virou a esquina permite ignorar o dano causado pelo presidente Edgar Lungu e a Frente Patriótica (PF) governante nos últimos cinco anos, bem como o considerável desafio que temos pela frente, independentemente de quem ganhe a votação.

O próximo governo precisará de assegurar um novo programa do FMI, negociar uma complexa reestruturação da dívida e consertar as relações com as mineradoras de cobre para garantir o futuro da indústria no longo prazo. O ponto central de todas as três tarefas é restaurar a credibilidade do país e reconstruir a confiança das pessoas de fora.

O resultado da eleição determinará se a Zâmbia tem um líder que pode colocar o país numa nova trajectória, ou se a hostilidade que o governante PF demonstrou para com os detentores de títulos, o FMI e as empresas de mineração estrangeiras devem continuar.

Em Outubro passado, o ministério das Finanças solicitou uma paralisação de seis meses no pagamento dos eurobônus da Zâmbia, mas depois não respondeu totalmente às perguntas dos credores sobre outros empréstimos e atrasos, ou em detalhar o caminho futuro para a sustentabilidade da dívida. Isso gerou desconfiança: os detentores de títulos temiam que o Estado tivesse algo a esconder e sentiram que poderiam perder para outros credores. A intransigência da PF pavimentou o caminho para o default soberano.

Agora, os detentores de títulos estão a insistir que a Zâmbia abrace um programa do FMI como um pré-requisito para a reestruturação da dívida. As relações com o Fundo estão tensas desde Agosto de 2018, quando a PF pressionou seu último representante residente – Alfredo Baldini – a sair.

O seu substituto, Preya Sharma, assumiu, e os contornos de um novo programa de monitoramento de pessoal parecem estar a surgir. O FMI deixou claro que o governo precisa se comprometer com etapas políticas detalhadas.

‘Oeste selvagem’

Os temores dos empréstimos ocultos e atrasos pendentes ainda podem atrapalhar as negociações, o mesmo acontecendo com a aquisição da Mopani Copper Mines da Glencore pela Zâmbia em Janeiro, o que dobrou as dívidas garantidas pelo governo de empresas públicas.

A mineradora estatal ZCCM-IH pagou US $ 1 nominal para adquirir uma participação de 90% na Mopani, dando-lhe o controle total sobre as operações. A empresa também assumiu a responsabilidade por US $ 1,5 bilhão de dívidas contraídas pela controladora da Mopani, Carlisa, comprometendo uma proporção das vendas e lucros futuros para pagar essa quantia – um processo que pode levar entre 10-17 anos, de acordo com o ministro das minas Richard Musukwa.

O aumento das dívidas públicas e publicamente garantidas da Zâmbia foi o preço das más relações com os mineiros estrangeiros. O governo entrou em confronto com a Glencore quando a gigante das commodities tentou fechar a Mopani em Abril de 2020, invocando força maior por força da pandemia. A governante PF rapidamente se mobilizou para defender cerca de 15.000 empregos no seu coração político, ameaçando revogar a licença de mineração da Glencore e prendendo o CEO da Mopani, Nathan Bullock, quando tentava deixar o país.

Tal intimidação gerou movimentos contra a Vedanta Resources em Maio de 2019, quando o Estado colocou Konkola Copper Mines em liquidação provisória, acusando os seus proprietários de mentir sobre o investimento na expansão da mina e contestar o pagamento de impostos. Dois anos depois, a disputa multibilionária permanece sem solução, com arbitragem pendente e questões persistentes sobre quanto tempo o Estado pode manter o activo.

Complexo mineiro de Chingola, de exploração de cobre na Zâmbia (Foto: D.R.)

A Vedanta declarou estar disposta a investir US $ 1,5 bilião em Konkola. Sem um acordo, ou a entrada de um novo parceiro estratégico para investir na mina, a produção diminuirá e o activo se deteriorará, fazendo com que a Zâmbia perca os altos preços do cobre nos mercados globais.

Esses são riscos que os investidores estrangeiros seriam imprudentes em ignorar; seria sensato ouvir um ex-ministro das finanças, Felix Mutati, e cinco dos seus colegas, que no ano passado expressaram receios de que a Zâmbia estivesse a tornar em algo semelhante ao “oeste selvagem”, onde a aplicação da lei e o trabalho dos órgãos estatutários é arbitrário e político. ”

“Quem vai investir num país onde os activos podem ser apreendidos ou os contratos são irrelevantes?” – perguntaram eles numa carta aberta.

Batalha acirrada por Hichilema

Sem surpresa, Mutati está a apoiar o rival de Lungu, Hakainde Hichilema, para a presidência. Hichilema lidera o Partido Unido para o Desenvolvimento Nacional (UPND), mas enfrenta uma batalha difícil de ganhar o poder neste mês de Agosto, depois da Comissão Eleitoral da Zâmbia decidir cancelar o  cadastro eleitoral existente e compilar um novo – em pouco mais de um mês, durante a estação das chuvas, justamente no meio de uma pandemia global.

Com o ônus dos cidadãos fazerem o pré-registo online e viajarem para um centro de registo e concluirem o processo, os eleitores rurais teriam sido privados de direitos civis no sul e oeste do UPND, onde os agricultores estavam ocupados a prepararem os seus terrenos.

A oposição também lutará para mobilizar simpatizantes nas áreas urbanas depois da comissão eleitoral ter impedido os comícios de campanha, temendo um aumento nas taxas de transmissão da Covid-19, e depois introduziu restrições temporárias aos roadshows políticos na capital Lusaka, citando uma escalada de violência.

O resultado da eleição determinará se a Zâmbia tem um líder que pode colocar o país numa nova trajectória, ou se a hostilidade que o governante PF demonstrou para com os detentores de títulos, o FMI e as empresas de mineração estrangeiras devem continuar. Investir no país é um tiro no escuro até que o governo da Zâmbia adopte uma postura mais construtiva nas suas negociações com estranhos.

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.