InicioAngolaPolíticaSector da saúde angolano pede intervenção de João Lourenço

Sector da saúde angolano pede intervenção de João Lourenço

Profissionais de saúde apelam ao PR para “travar” a escassez de materiais, medicamentos e de recursos humanos nas unidades sanitárias do país. Situação é mais crítica em Luanda, onde há mortes nos bancos das urgências.

Segundo profissionais ouvidos esta terça-feira (08.06) pela agência de notícias Lusa, o sistema de saúde primário, sobretudo na capital angolana, “colapsou” e as unidades hospitalares estão a registar em “média entre seis e dez mortes” associadas à malária e anemia.

“Com todas as observações que temos feito não observamos melhorias nem de medicamentos, nem de recursos humanos e meios e o que me admira é o silêncio do Presidente da República, João Lourenço, em relação a isso”, afirmou hoje o presidente do Sindicato Nacional dos Médicos de Angola (Sinmea), Adriano Manuel.

Para o médico Adriano Manuel, “é necessário que os altos dirigentes do país, sobretudo o Presidente da República, façam visitas surpresa aos hospitais públicos para observarem o que se passa verdadeiramente e quais as repercussões”.

Malária
O lixo e as águas paradas, de esgotos a céu aberto e das últimas chuvas, referiu o dirigente sindical, “influenciam negativamente” o quadro sanitário de Luanda verificando-se um “elevado quadro de malária nos bancos das urgências”, notou.

“Estamos num quadro em que grande parte das crianças padecem de má nutrição crónica, por um lado, e de anemia crónica também, e quando a malária acomete esses pacientes encontra uma certa vulnerabilidade e daí surgem as mortes”, disse.

Ao quadro de malária associam-se as anemias e insuficiências dos ‘stocks’ do banco de sangue. “Daí que muitas crianças que acorrem aos nossos hospitais morrem de malária”, lamentou Adriano Manuel, em entrevista à Lusa.

O presidente do Sinmea estimou igualmente que, em média, o índice de mortalidade por malária nas unidades hospitalares “varia entre 06 e 10 mortes por dia, embora existam hospitais que tenham um nível superior e atingem mais de 18 mortes de crianças”.

“Isso acontece porque os níveis secundários e primários não têm recursos humanos e medicamentos e, então, as pessoas acorrem aos hospitais terciários por falta de condições para a aquisição de medicamentos”, sublinhou.

Desgaste dos profissionais
Apontou ainda “um visível desgaste físico geral de médicos, enfermeiros e demais técnicos de saúde, em consequência da demanda de pacientes”, o que também influencia, frisou, “o índice de mortalidade”.

Porque, explicou o médico, “não se pode compreender como é que um médico sozinho num banco de urgência observa uma média de 150 doentes”.

“É um cansaço terrível e infelizmente o Governo faz ouvidos de mercador”, comentou.

O cenário de enchentes nas unidades hospitalares, a partir do nível primário, foi também relatado pelo secretário-geral do Sindicato de Técnicos de Enfermagem de Luanda, Afonso Kileba, afirmando que a procura dos doentes “contrasta com a escassez de técnicos de saúde”.

Hospitais sobrelotados
“Os hospitais estão muito cheios, centros de saúde muito cheios, principalmente do nível primário, onde está a maior parte da população e é o nível que está desfalcado em termos de técnicos”, disse hoje Afonso Kileba.

Em declarações à Lusa, o responsável sindical e especialista em enfermagem lamentou também a “inexistência” de materiais descartáveis nas unidades sanitárias, referindo existir uma “redução de abastecimento do material gastável” nos hospitais de Luanda.

“Há hospitais a que estão a ser atribuídas cinco ampolas de dipirona [fármaco para a febre] para um mês, de tal maneira que agrava também o quadro de mortes, devido à ausência de uma resposta capaz”, indicou.

Quanto a condições de trabalho, “já nem se fala, não existe alimentação ou condições de acomodação dos técnicos”, atirou ainda Afonso Kileba.

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.