InicioMundoÁfricaLei Tshiani: Olive Lembe opõe-se "não há necessidade de brigas concertadas porque...

Lei Tshiani: Olive Lembe opõe-se “não há necessidade de brigas concertadas porque o nosso país já ganhou impulso com tudo o que o meu marido Joseph Kabila acordou”

Na República Democrática do Congo, a questão da nacionalidade para ser presidenciável  ressurge dois anos e meio após o fim do mandato de Félix Tshisekedi.

A recente reacção da esposa do ex-presidente Joseph Kabila, que falou num comício em Lubumbashi.

Segundo Olive Lembe, essa polémica não tem razão de ser quando o país está unificado graças ao seu marido Joseph Kabila.

“  Se me permito falar, é porque involuntariamente me tornei uma formadora de opinião entre as mulheres do Congo. Unamo-nos, queridos compatriotas, unamo-nos. Brigas inúteis, rejeições, escolhas supostamente da Congolidade e outras, que não nos levarão a lugar nenhum. Isso pode causar nossa queda mais uma vez. E, no entanto, já tivemos um bom momento com tudo o que meu marido Joseph Kabila Kabange consentiu como um sacrifício, para que cheguemos a isso. Não precisamos recuar. Acho que o povo congolês dum mogo geral concorda comigo… ”, disse ela.

A tensão é alta

Noël Tshiani fez um projecto de lei segundo o qual “só pode ser candidato a Presidente da República quem nasceu de pai e mãe congoleses”. Um assunto que preocupa particularmente o acampamento de Moïse Katumbi, cuja nacionalidade já havia sido objecto de debates antes das eleições presidenciais de 2018.

A Constituição da RDC estipula no seu artigo 10.º que “a nacionalidade congolesa é de origem ou de aquisição”. Ela é de origem se um ou ambos os pais são congoleses.

Noël Tshiani, ex-candidato à presidência em 2018, quer mudar essa disposição. Propõe que o candidato presidencial passe a “nascer de pai e mãe congoleses”: “Queremos garantir que não vamos permitir o acesso às funções de soberania a pessoas de quem não temos a certeza. Da sua total lealdade. para com o nosso país. Não é simplesmente para as eleições de 2023. ”

“Devemos respeitar a Constituição do país”

No campo de Moïse Katumbi, estima-se que esta proposta de lei da nacionalidade visa excluir o seu líder da corrida presidencial de 2023. Por sua vez, Moïse Katumbi lembra que a questão da nacionalidade já está resolvida pela Constituição: “Devemos não recuar no país. Devemos respeitar a Constituição do país. Se houver injustiça, vamos denunciá-la, vamos nos defender. E essa divisão, ou melhor, distracção, nunca podemos aceitar. ”

Paralelamente, Moïse Katumbi encerrou em Lubumbashi as actividades de lançamento oficial do seu novo partido político “Juntos pela República”.

Quanto ao projecto de lei da nacionalidade, ainda está nas mãos dos deputados dos vários grupos políticos, indica o seu iniciador Noël Tshiani, sem dar mais pormenores. Ele espera que seja entregue no gabinete da Assembleia Nacional durante a actual sessão parlamentar.

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.