InicioMundo LusófonoCabo VerdeCovid-19: Cabo Verde precisa "baixar ainda mais" o número de casos

Covid-19: Cabo Verde precisa “baixar ainda mais” o número de casos

Primeiro-ministro anuncia que, apesar da “tendência de diminuição” de casos de Covid-19 em Cabo Verde, a situação de calamidade será mantida, e alargada a todas as ilhas, por mais 30 dias.

O primeiro-ministro cabo-verdiano disse esta sexta-feira (28.05) que o país regista uma “tendência de diminuição” de casos de covid-19, mas que é preciso “baixar ainda mais”, pelo que será mantida a situação de calamidade, alargada a todas as ilhas.

“É preciso baixar ainda mais para podermos ter as condições para eventualmente, num outro momento, podermos sair do estado de calamidade. Por agora ainda se justifica”, disse Ulisses Correia e Silva, numa mensagem ao país a partir do palácio do Governo, na cidade da Praia.

Além de manter as restrições em vigor desde final de abril, Ulisses Correia e Silva disse que será feita a vigilância de doentes com Covid-19 em isolamento domiciliário. “E serão aplicadas, como está previsto na lei, sanções no caso de incumprimento”, avisou o chefe do Governo.

Serão aplicadas sanções no caso de incumprimento das medidas restritivas, alertou o PM.
(DR)

Medidas restritivas mantêm-se
Com o prolongamento da situação de calamidade, alargada a partir de hoje à ilha Brava, e apesar da estabilização e diminuição da pandemia ao longo do mês de maio, Ulisses Correia e Silva explicou que se mantém a proibição de atividades desportivas, de lazer e de diversão, e a limitação de lotação máxima de 150 pessoas em atividades públicas ou culturais.

Também continua a proibição de festas “fora do ambiente intrafamiliar”, a limitação de horários de funcionamento de bares, restaurantes, supermercados e outros estabelecimentos comerciais, além do reforço no cumprimento das normas sanitárias e de proteção, voltando o primeiro-ministro a insistir na necessidade de cumprimento das regras.

Antes da declaração ao país, durante a apresentação da situação epidemiológica no arquipélago, o diretor nacional de Saúde, Jorge Noel Barreto, apontou que Cabo Verde apresenta neste momento uma “estabilização e mesmo diminuição de casos” de Covid-19, admitindo que as medidas restritivas adotadas em maio “surtiram efeito”, mas sublinhando que “é preciso tempo para estabilizar os resultados alcançados”.

“Ainda temos que ter muita cautela porque a taxa de positividade [casos positivos por amostras analisadas] ainda é superior a 4%”, disse, acrescentando a expectativa de Cabo Verde reduzir esta semana a taxa de incidência acumulada de casos de covid-19 a 14 dias para 400 por 100 mil habitantes. “Mas é preciso que vá para 150 por 100.000 habitantes”, reconheceu.

Entretanto, a taxa de incidência acumulada de casos de Covid-19 a 14 dias passou de 727 por cada 100.000 habitantes, no período de 26 de abril a 09 de maio, para 501 por cada 100.000 habitantes, de 10 a 23 de maio, segundo dados da Direção Nacional de Saúde.
(DR)

Brava também em situação de calamidade
Todas as ilhas de Cabo Verde vão permanecer em situação de calamidade por mais 30 dias, incluindo a Brava, a única até agora de fora deste nível de alerta, devido à pandemia de Covid-19, segundo decisão do Governo.

A medida consta de uma resolução do Conselho de Ministros publicada quinta-feira, e que entra hoje em vigor, prorrogando a situação de calamidade – o nível mais grave de três previstos na lei que estabelece as bases da Proteção Civil em Cabo Verde – nas ilhas de Santo Antão, São Vicente, São Nicolau, Sal, Boa Vista, Maio, Santiago e Fogo, que já vigora desde final de abril, devido ao forte aumento do número de infetados diários com Covid-19.

“Do mesmo modo, entende-se que a situação epidemiológica na Brava justifica que seja decretada a situação de calamidade”, lê-se na resolução.
Vários meses depois, o Governo de Cabo Verde voltou a decretar, em 30 de abril, a situação de calamidade em todas as ilhas, na altura com exceção da ilha Brava, por um período de 30 dias, agravando medidas de limitação de atividades com aglomerações de pessoas, face ao forte aumento de casos de Covid-19, que chegaram a ultrapassar várias vezes os 400 novos infetados por dia.

Entretanto, a taxa de incidência acumulada de casos de Covid-19 a 14 dias passou de 727 por cada 100.000 habitantes, no período de 26 de abril a 09 de maio, para 501 por cada 100.000 habitantes, de 10 a 23 de maio, segundo dados da Direção Nacional de Saúde.

No último período de 14 dias foram feitos 19.502 testes à Covid-19 no arquipélago e detetados 2.821 novos casos (média diária de 202 novos casos), contra as 21.647 amostras e 4.093 novos casos (média de 293 novos casos por dia) no período anterior (26 de abril a 9 de maio).

Vacinas são esperadas
Cabo Verde espera receber pelo menos 181.200 doses de vacinas contra a Covid-19 durante o mês de junho, incluindo 100 mil da AstraZeneca doadas pelo Governo da Hungria, que chegam no dia 7, anunciou o primeiro-ministro.

Numa declaração ao país sobre a situação epidemiológica em Cabo Verde, o chefe do Governo confirmou hoje a doação de 100 mil doses da Hungria, da AstraZeneca, tal como as esperadas nos próximos dias através do mecanismo Covax, às quais se soma uma doação de 50 mil doses da vacina Sinovac pela China.

Para Ulisses Correia e Silva, com a concretização destas doações ao longo do mês de junho, às quais acresce a doação em 14 de maio de 24.000 doses da vacina da AstraZeneca por Portugal, Cabo Verde terá “um bom lote” para “reforçar a vacinação”, estando também em curso um “processo de aquisição” no mercado internacional de mais vacinas.

“O Governo vai continuar a envidar os sues esforços para conseguir mais vacinas e estamos no caminho certo para o concretizar a meta que definimos, de até final deste ano conseguirmos imunizar mais de 70% da população cabo-verdiana”, disse ainda o primeiro-ministro.

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.