InicioCrónicas e ArtigosPreenchendo a lacuna digital: Por que nunca devemos desistir da conectividade de...

Preenchendo a lacuna digital: Por que nunca devemos desistir da conectividade de banda larga universal

Leo Chen | Presidente da Huawei na Região da África Austral

Durante o ano passado, digamos, a transformação digital acelerou a uma taxa sem precedentes nas sociedades de todo o mundo. Quer estivéssemos a trabalhar, a pesquisar ou a manter contacto com amigos e familiares, estar online tornou-se mais imprescindível do que nunca. Porém, apesar de um grande número de pessoas estar a adaptar-se às suas novas realidades, tornou-se também evidente que um número igualmente grande de pessoas foi impedido de o fazer. Considerando que o tema do Dia das Telecomunicações e da Sociedade da Informação deste ano, que aconteceu a 17 de Maio, é “Acelerando a Transformação Digital em tempos desafiantes”, vale a pena examinar o quão grande é essa lacuna e como a mesma pode ser preenchida.

Na África Subsaariana, por exemplo, aproximadamente 800-milhões de pessoas não estão conectadas à internet móvel. Daquelas, cerca de 520 milhões podem acessar à internet móvel, mas não o fazem por razões como penetração de smartphones e falta de habilidades, enquanto 270 milhões não podem acessar à internet móvel porque não têm a cobertura necessária. Em toda a região, a cobertura de banda larga 4G é de apenas 21 por cento.

Os números são ainda mais claros no que diz respeito à conectividade com a Internet de linha fixa. De acordo com dados da empresa de pesquisas Ovum, há apenas 6,6 milhões de assinaturas de linha fixa na África Subsaariana. Enquanto se estima um crescimento dos números em três vezes até 2023, o que representa ainda uma pequena parcela da população da região. Tais números deixam evidente que a região lida com uma grande deficiência de infraestrutura de Internet.

Os benefícios da crescente acessibilidade à Internet são óbvios. Em 2019, na África Subsaariana, mais de 650.000 empregos foram sustentados directamente pelo ecossistema móvel e mais de 1,4 milhões de empregos informais em 2019. Também contribuiu com mais de US $ 17 bilhões para financiamento público ao longo do ano. A União Internacional de Telecomunicações (UIT) também definiu que um aumento de 10% na penetração da banda larga móvel em África geraria um aumento de 2,5% no PIB per capita. Isso sem mencionar os benefícios que uma internet móvel melhor e mais acessível pode ter na educação, saúde e serviços governamentais. Com conectividade de Internet de fácil acesso, as pessoas podem procurar empregos, adquirir novas habilidades e acessar serviços governamentais sem terem que se deslocar para um endereço físico e, potencialmente, ficar em longas filas.

Como vimos, a pandemia causou uma devastação económica e social, mudando a forma como vivemos, trabalhamos, estudamos e socializamos, trazendo uma era de distanciamento social. Uma das mudanças mais significativas é a aceleração da transformação digital. Os legisladores africanos perceberam que o acesso à banda larga é fulcral para mitigar os efeitos da pandemia e impulsionar a recuperação económica na era pós-Covid. Com as mudanças no comportamento e na mentalidade das pessoas, a banda larga também continuará a fornecer oportunidades para que os países africanos ultrapassem os obstáculos para o desenvolvimento socio-económico sustentável e inclusivo.

Obviamente, a responsabilidade de criar acesso não cabe apenas ao governo. As empresas também têm um papel a cumprir. Na Huawei, reconhecemos isso e apoiamos uma série de iniciativas que visam ajudar a aumentar o acesso em áreas onde é mais necessário. Em Julho do ano passado, por exemplo, lançamos o projecto DigiSchool em parceria com uma operadora local e uma organização sem fins lucrativos. Em resposta ao apelo para garantir que todas as crianças sul-africanas em idade escolar possam ler fluentemente para entender, o programa visa conectar mais de 100 escolas primárias urbanas e rurais à Internet de banda larga.

Além disso, lançámos DigiTrucks em vários países africanos, o que permite que todos, de estudantes à empresários, aprendam a usar computadores e a conectar-se com o mundo digital. No início deste ano, também anunciámos uma parceria com operadoras do Gana para construir mais de 2.000 estações base em áreas remotas daquele país para conectar os não conectados.

De uma perspectiva de saúde, entretanto, com as conexões de banda larga, Lifebank, uma startup nigeriana pioneira que entrega sangue e outros suprimentos médicos essenciais para hospitais. Ao manter a startup e seus usuários conectados, podemos garantir que os hospitais recebam suprimentos urgentes quando forem necessários.

Esses tipos de projectos, no entanto, servem apenas para ilustrar quanta necessidade de banda larga acessível existe realmente em toda a África Subsaariana. Eles representam um vislumbre do tipo de acesso que todos devem ter e que os intervenientes da sociedade devem procurar fornecer.

Por mais de uma década, as Nações Unidas reconheceram que a internet é um catalisador para o desenvolvimento sustentável. Todavia, como os eventos do ano passado ou mais mostraram, muitas pessoas são incapazes de desfrutar desses direitos porque não têm acesso e conectividade. Todos nós nos beneficiaremos com a expansão do acesso e a redução dessa divisão. Não há dúvida de que deve ser uma contínua grande prioridade para os governos, empresas e actores da sociedade civil.

Sobre Huawei

A Huawei é fornecedora líder global de infraestrutura e dispositivos inteligentes de tecnologia da informação e comunicação (ICT). Com soluções integradas em quatro domínios principais – redes de telecomunicações, TI, dispositivos inteligentes e serviços em nuvem – temos o compromisso de levar o digital para cada pessoa, casa e organização para um mundo totalmente conectado e inteligente.

O portfólio completo de produtos, soluções e serviços da Huawei é competitivo e seguro. Por meio da colaboração aberta com parceiros do ecossistema, criamos valor duradouro para nossos clientes, trabalhando para capacitar as pessoas, enriquecer a vida doméstica e inspirar a inovação em organizações de todas as formas e tamanhos.

Na Huawei, a inovação se concentra nas necessidades do cliente. Investimos fortemente em pesquisa básica, concentrando-nos nos avanços tecnológicos que impulsionam o mundo. Temos mais de 180.000 funcionários e operamos em mais de 170 países e regiões. Fundada em 1987, a Huawei é uma empresa privada de propriedade integral de seus funcionários.

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.