InicioCovid-19Ministra das Finanças admite produção de vacina contra a Covid-19 em Angola

Ministra das Finanças admite produção de vacina contra a Covid-19 em Angola

Académicos dizem que país não tem condições para produzir vacinas

A ministra das Finanças de Angola disse não afastar a possibilidade de o país produzir vacinas contra a Covid-19, mas adiantou que, primeiro, é necessário um estudo para o efeito.

“Não descartamos essa possibilidade”, disse Vera Daves de Sousa na quarta-feira, 19, em Paris, a propósito do tema vacinação que foi debatido na Cimeira sobre o Financiamento das Economias Africanas, organizada na terça-feira pelo Presidente francês, Emmanuel Macron.

Vera Daves de Sousa afirmou ser necessário primeiro “fazer uma auto-avaliação da capacidade de Angola e das equipas para receber essa passagem de conhecimento “.

Para a ministra das Finanças, “foi lançado o mote para que se reflicta em torno de se abrir mão das licenças intelectuais (das vacinas) para que seja possível deslocalizar tecnologia e conhecimento para algumas regiões de África, para assim, com produção local, se conseguir atender melhor a procura”.

Em Luanda, académicos ouvidos pela VOA dizem que o país não tem capacidade científica e tecnológica avançada para assumir a empreitada porque padece de falta de investigação científica especializada.

O académico e pediatra Luís Bernardino afirma que a parte científica e tecnológica está muito atrasada em Angola e nada vai funcionar sem um reforço externo “a não ser que venha para aqui uma fábrica pronta a usar”.

Bernardino acrescenta que “a investigação científica em Angola tem sido completamente menosprezada” e acusa as autoridades angolanas de “falta de humildade” em reconhecer as suas insuficiências.

Também o professor da Universidade Agostinho Neto, Carlinho Zassala, lembra que as autoridades angolanas não criam condições para que as universidades possam realizar investigação científica.

Zassala considera que, a acontecer a produção da vacina no país, será feita por estrangeiros e desafia a ministra das Finanças a visitar as unidades académicas nacionais.

“Há alunos que no ensino secundário nunca entraram num laboratório de física e de química”, precisa aquele académico.

O Presidente João Lourenço participou na Cimeira de Paris, em que cerca de duas dezenas de líderes africanos e europeus debateram a vacinação em África e a retoma da economia dos países do continente pós-pandemia.

FonteVoA

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.