InicioCrónicas e Artigos Quando os países ricos falam com os africanos

[Tribuna] Quando os países ricos falam com os africanos

Na luta pela influência entre as grandes potências do continente, China e Estados Unidos somam pontos. Apesar de seu déficit de imagem, a Europa poderia, no entanto, alcançá-la rapidamente se mudar sua técnica de abordagem.

Na África, a competição entre grandes potências começa com a competição entre  narrativas   . Os Estados Unidos e a China estão conversando com os africanos. Eles respondem, à sua maneira, à tríplice necessidade que lhes impõe: ousar pensar, compartilhar e agir diferente. 

Quanto aos europeus, oferecem-lhes um projecto que ainda não é claro nem totalmente convincente. Além dessas três modalidades narrativas (chinesa, americana e europeia) na África, será preciso, cada vez mais, levar em conta a de africanos para africanos. Ainda não é muito audível, mas está subindo e defende a emancipação e a responsabilidade.

Estados cativos

A “narrativa” chinesa é de longe a mais estruturada. Isso o torna compreensível para as elites e também para o povo africano. Em primeiro lugar, os chineses têm uma visão de longo prazo (cinquenta anos), com o surgimento das Rota da Seda ligando a Ásia à África e à Europa. 

É ousado, num período dominado pelo curto prazo, e que, com a Covid-19, preconiza o fecho em vez da abertura. Então, eles fazem um discurso do terceiro mundo que fala aos africanos: “Os ocidentais nos maltrataram e colonizaram … como vocês! Eles sempre afirmam dominar e impor suas condições e valores. Nós, chineses, contestamos … como você. 

Vamos nos unir para mudar a ordem mundial. ” Centros de estudos chineses disseminam a cultura do Reino do Meio na África, e fóruns e conferências de qualidade estão se multiplicando. Finalmente, os chineses se destacam em acção: empréstimos massivos e infraestrutura.

Os chineses têm pressa, os africanos também. Alguns estados do continente endividam-se e tornam-se cativos. As zonas económicas especiais dão um toque concreto à sua parceria com os africanos.

Eles dão credibilidade à África industrial e a tornam uma candidata concreta para deslocalizações da Ásia. Apesar das críticas ao endividamento e ao confisco de matérias-primas, a narrativa chinesa sobre a África tornou-se operacional.

Não estruturado, mas eficaz

A narrativa americana permanece menos estruturada, mas é eficaz. A América é amada pela imagem, pela televisão, pela mídia, pelas ferramentas digitais que transmitem a cultura americana. 

As universidades americanas são poderosas na África, elas formam executivos que começarão suas carreiras do outro lado do Atlântico. E os evangelistas não ficaram: levarão a palavra americana ao continente. 

Na realidade, essa narrativa mascara a falta de interesse econômico dos Estados Unidos pela África. Resta o interesse político-militar da luta contra o terrorismo – e também, é preciso admitir, da ajuda em matéria de saúde, em particular graças às grandes fundações americanas.

“O Corrèze antes do Zambeze”

Por sua vez, a narrativa europeia na África ficou para trás, apesar dos avanços recentes. Isto está ligado a uma má imagem, arraigada, nascida do tráfico de escravos (séculos XVI-XVIII), colonização (séculos XIX e XX) e descolonização mal completada. 

As relações pós-coloniais (França-África, apoio aos ditadores para garantir o acesso às matérias-primas ou segurança, etc.) não nos permitiram ir além de uma longa história de infortúnios, desprezo, paternalismo, exploração de matéria-prima barata e mão de obra. Além disso, nos últimos anos, o acirramento do debate sobre as migrações em uma Europa que se fecha sobre si mesma., não ajudou. E a crise sanitária ligada ao Covid 19 afastou-o ainda mais de África, reactivando na opinião pública o velho ditado “Corrèze antes do Zambeze”.

 Do lado africano, a decepção com a Europa muitas vezes se transformou em mal-entendido e depois em ressentimento. Entre estes dois continentes que a geografia e a história unem – para pior, mas também para melhor graças às diásporas, às trocas humanas e culturais – estabeleceu-se, de facto, a ignorância recíproca.

No entanto, outras vozes estão sendo ouvidas, na África como na Europa. O olhar muda no continente que se transforma em profundidade. Isso alimenta uma narrativa ainda frágil, mas inovadora, que busca criar um desejo pela África na Europa e um desejo pela Europa na África, em bases não mais rentáveis, mas produtivas, não mais impostas, mas coproduzidas. O empreendimento é vasto, exigirá tempo e coragem política, mas já começou.

OS AFRICANOS NÃO SÃO APENAS NOSSOS VIZINHOS, SÃO NOSSOS PARCEIROS NATURAIS, É COM ELES QUE CONSTRUIREMOS O MUNDO EM QUE QUEREMOS VIVER.

O “pensamento diferente” dos europeus mudou muito nos últimos anos. Durante o seu mandato à frente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker promoveu uma “nova aliança”. Angela Merkel propôs um Plano Marshall para a África que seria baseado, não mais apenas no comércio, mas em investimento produtivo. Poucos meses após sua eleição, Emmanuel Macron disse que queria “amarrar os dois continentes, europeu e africano, além do Mediterrâneo e criar uma grande região África-Mediterrâneo-Europa”. 

A Presidente Ursula von der Leyen obrigou os Comissários a não mais trabalhar “para” mas “com” a África. Em seu discurso sobre o Estado da União em 18 de setembro de 2020, ela disse: “Os africanos não são apenas nossos vizinhos, eles são nossos parceiros naturais, é com eles que construiremos o mundo em que queremos viver. A Direcção-Geral para o Desenvolvimento e Cooperação está a tentar envolver-se nesta nova estratégia com África.

Ao mesmo tempo, a narrativa de africanos para africanos também evoluiu muito. Cada vez mais atores, especialmente intelectuais e jovens, estão traçando, dia após dia, os contornos do futuro que desejam para a África: justiça, soberania econômica, justiça nas relações internacionais, transformação estrutural, integração em cadeias de valor globais, integração regional, diversificação das parcerias de negócios, inovação, tecnologia, transparência e boa governança. 

No seu apelo aos acordos de parceria económica entre a Europa e os países ACP (África, Caraíbas, Pacífico), o ex-Presidente da República do Senegal, Abdoulaye Wade, defendeu, em 2007, em nome de África, uma nova aliança África-Europa que,

Da dependência à responsabilidade

Essa visão da África pelos africanos tornou-se mais clara nos últimos anos. Por exemplo, o discurso do presidente ganense Nana Akufo-Addo, que recebeu o presidente Emmanuel Macron em 12 de dezembro de 2017, foi claro: “Precisamos acabar com a caridade […]. Ajuda nunca funcionou, nunca vai funcionar […]. 

Uma nova África está em movimento, rica em sua população, sua juventude, seus recursos naturais […]. A África deve se manter por conta própria e criar oportunidades para reter sua juventude. A África não quer se tornar “a fábrica do mundo”, mas quer transformar “suas” matérias-primas localmente e criar oportunidades de emprego e esperança democrática para os jovens.

Como essas novas narrativas europeias e africanas podem convergir? Podemos imaginar uma narrativa comum? Obviamente sim. Mas isso supõe algumas pré-condições. Em particular: mudança de comportamento Para os europeus, significa passar do espírito de conquista para o espírito de partilha. 
Para os africanos, é passar da dependência à responsabilidade; mudar o objetivo: passar do simples comércio para a partilha de cadeias de valor (como a China fez com os países do Sudeste Asiático), promovendo a co-produção euro-africana; mudança de método, passando de cima para baixo para baixo, ou seja, para uma abordagem territorial das necessidades da população e da ação das sociedades civis locais.

ENQUANTO NÃO TIVERMOS UMA NARRATIVA COMUM ENTRE AFRICANOS, MEDITERRÂNEOS E EUROPEUS, NOSSA AÇÃO PERMANECERÁ LIMITADA E DISPERSA

Não progrediremos em termos concretos sem colocar em prática quatro ferramentas que provaram seu valor entre as duas Américas, como entre a China e os países do Sudeste Asiático: uma ferramenta para coordenar grupos de reflexão europeus e africanos para pensar a resposta a essas desafios comuns e pavimentam o caminho para uma melhor integração da região AME; uma instituição financeira intercontinental para garantir investimentos e garantir a mobilidade do capital; um tratado econômico de coprodução para a reindustrialização da Europa e a industrialização da África a partir de suas matérias-primas e necessidades; uma instituição de consulta política co-gerida, para estabelecer políticas e regulamentos comuns.

Enquanto não compartilharmos uma visão comum, ferramentas poderosas para uma integração econômica regional produtiva, sustentável e solidária, nossa região continuará sendo fruto da vontade de potências externas. Enquanto não tivermos uma narrativa comum entre africanos, mediterrâneos e europeus, nossa ação permanecerá limitada e dispersa. Vamos construir essa narrativa comum, para implementar nossas preferências coletivas.

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.